sábado, 22 de julho de 2017

APITO DESAVERGONHADO


"Eles bem podem andar de artifício jurídico em artifício jurídico, que o conteúdo das escutas ao processo 'Apito Dourado' permanecerá inalterado. Eles bem podem utilizar excertos de e-mails, obtidos sabe-se lá como, e deturpá-los a seu bel-prazer, que nunca conseguirão fazer esquecer o que se passou no futebol português ao longo de décadas e muito menos poderão alguma vez criar a ideia de que os seus esquemas são agora utilizados por outros.
Chega até a ser cómico, sem ter graça alguma, vê-los a acusarem outros de usarem os seus esquemas que, de artifício jurídico em artifício jurídico, afinal nunca foram os seus.
Passados anos, resta apenas um castigado: as empresas de telecomunicações. Nem consigo imaginar os seus prejuízos por aquele gente, aquele gente desavergonhada, despudorada e vigarista, ter restringido o teor das suas chamadas telefónicas. E, já agora, o que pensar sobre a inexistência de qualquer reacção dos patetas alegres? Ai, ai, pobres de espírito... Tanto lhes faz quem ganhará, desde que não seja o Benfica...
Entretanto a vida prossegue e lá continuamos a trabalhar norteados pelo desejo do penta. Não gosto de ver o Benfica perder nem a feijões, e muito menos de o ver goleado, mas o pessimismo desmesurado que detectei em alguns benfiquistas após a derrota frente ao Young Boys parece-me absurdo. E mais ainda atribuir às vendas de Ederson, Lindelof, e Nélson Semedo o estatuto de principal causa da derrocada da nossa equipa no passado sábado. A exibição da nossa equipa esteve longe de ser brilhante, mas enquanto houve pernas também não preocupou. E o mais relevante é que não teria nada que preocupar ou entusiasmar... é pré-época!"

João Tomaz, in O Benfica

1 SEMANA DO MELHOR - BENFICA TV HD - 21 JULHO 2017

                                           

sexta-feira, 21 de julho de 2017

NOTÍCIAS BENFICA: BENFICA 14 HORAS 21-07-2017

                                           

ALJAZ SLUTEJ RENOVA COM O BENFICA


“QUERO AGRADECER AO BENFICA A OPORTUNIDADE”
Base continua de águia ao peito por mais três anos.
O Sport Lisboa e Benfica e Aljaz Slutej firmaram esta quinta-feira acordo para o prolongamento do contrato do basquetebolista por mais três anos. O esloveno chegou aos encarnados no verão de 2014 e, desde aí, tem vindo a evoluir na equipa B.
Na temporada passada, pela mão de Carlos Lisboa, já somou alguns minutos de jogo pela equipa principal, onde atuou em cinco jogos (quatro no Campeonato Nacional e um na Taça de Portugal). Porém, foi no campeonato da Proliga em que mais se evidenciou. Ao serviço da equipa B das águias, Slutej terminou a competição com uma média de valorização de 16.6, o 11.º jogador mais valioso da segunda divisão do basquetebol em Portugal. Destaque ainda para a 3.ª posição nas estatísticas individuais de roubos de bola e assistências.

Por conseguinte, o bom rendimento, enquadrado na política de aposta da formação que o Clube tem implementado, deverá valer ao jovem de 21 anos uma utilização mais regular por parte do novo treinador, José Ricardo, em 2017/2018.
Em declarações à BTV, o base assumiu a satisfação por integrar os trabalhos da equipa Campeã Nacional.
“Sinto-me muito bem por ir treinar com a equipa principal e vamos dar tudo para ganhar mais títulos. Quero evoluir mais como jogador”, sublinhou, aproveitando ainda para agradecer a oportunidade.
“Quero agradecer ao Benfica por me dar a oportunidade de continuar a treinar e a jogar pelo Benfica”, concluiu.
Domingos Almeida Lima, vice-presidente do SL Benfica, realçou a aposta na formação do Clube.
“O Aljaz é uma atleta da nossa formação, corresponde ao nosso objetivo de premiar os bons valores da formação. O ano passado já treinou com a equipa principal, já fez alguns minutos e espero que ele venha contribuir na próxima época de uma forma crescente”, disse o dirigente dos encarnados.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES


"Teria preferido que pelo menos o guarda-redes e o defesa-direito permanecessem mais um ano no plantel.

Em jeito de 13 pinceladas (o meu número da sorte), escrevo sobre o meu vestibular estado de alma benfiquista, em pleno defeso. Assim:

1. Não gosto de perder em circunstância alguma. E muito menos ser goleado. Bem sei que se tratou de um jogo de preparação contra uma razoável equipa suíça, em fase mais avançada de treino e pronta a iniciar as competições. Também sei que entraram 21 (!) jogadores e que os últimos golos do Young Boys tiveram lugar quando o Benfica jogava com um onze de young boys absolutamente improvável e com alguns atletas que não ficarão no plantel.
Mas que diabo, Benfica é Benfica e se se compreende a menor capacidade nos primeiros jogos, há que acautelar a parte reputacional do clube e o respeito pelos indefectíveis adeptos emigrantes. Sinceramente, penso que uma coisa é um jogo de preparação, outra é um jogo de experimentação. Para estes últimos, há outras soluções dentro de casa, que bem nos podem evitar estes ensaios à porta aberta e no estrangeiro.
Adiante e que sirva de lição.

2. Dir-me-ão: daqui a uma semana já ninguém se lembrará desta copiosa derrota. Talvez seja assim, mas que, ao menos, tenha (boas) consequências. Ao sabor do teclado, neste preciso momento, lembro-me de um jogo de pré-época em 2012, por sinal a sempre cativante Eusébio Cup, em que o Benfica cilindrou o Real Madrid por 5-2. Claro que os merengues, então treinados por José Mourinho, jogaram desfalcados e sem Cristiano Ronaldo. E o Benfica treinado por Jorge Jesus não foi campeão. Mas lá que foi saboroso foi, e que foi penoso para os madrilenos também. Desta vez o clube suíço de Berna saboreou e os benfiquistas penaram.

3. Apesar de tudo, nos dois jogos já disputados, houve jogadores que me agradaram. Gostei do internacional suíço, Seferovic, que creio vai ser um atacante muito útil durante a temporada, possante, maduro e rápido. Fiquei com vontade de ver jogar mais vezes o jovem Diogo Gonçalves, tecnicamente evoluído, agradavelmente bem integrado e veloz.

4. Com a provisoriedade de juízo tendo em conta os poucos minutos de futebol que já se viram, não me parece que o brasileiro Hermes tenha arcaboiço para estar no plantel, sobretudo a defender. Pedro Pereira, do outro lado da defesa, ainda precisa de provar por que é que o Benfica pagou caro à Sampdoria o seu resgate.

5. Falta um mês e meio para este período de transferências chegar às 24 badaladas de 31 de Agosto. Por isso, ainda muita água (leia-se: liquidez ou falta dela) vai passar debaixo das pontes (e respectivos engenheiros de comissões). Naquele último dia, os tão prestimosos Cadernos de A Bola correm cada vez mais o risco de serem um bom documento quase histórico, porque editados umas semanas antes.

6. Assim sendo e por agora, quanto ao plantel que vai lutar pelo pentacampeonato, a definitividade vira provisoriedade, assim se ilustrando capas e capas de jornais e revistas e se esticando, em jeito de pastilha elástica, programas televisivos sobre transferências e inferências.

7. No dia de Julho em que escrevo, o que mais me preocupa é o sector defensivo do Benfica. Por boas razões a montante, é certo. Saíram Ederson, Linfelof e Nélson Semedo (aqui com uma palavra de gratidão para Maxi Pereira que, com a sua saída, destapou um magnífico jovem) por maquias bem consideráveis. Mas, como dizem os entendidos, os ataques ganham jogos e as defesas ganham (longos) campeonatos. Parece-me imprudente mudar tão radicalmente o sector. Volta Garay!

8. Tenho pena destas saídas e teria preferido que, pelo menos o guarda-redes e o defesa-direito permanecessem um ano mais no plantel. A saída era certa, mas o tempo é uma variável e não uma imposição. Compreendo e aceito as razões financeiras, mas vender as três pérolas ao mesmo tempo envolve risco. Sobretudo, refiro-me a Ederson, guardião de inegável valor e primeiro atacante da equipa. Qualquer alternativa é pior, sem pôr em causa a duradoura classe de Júlio César. Mas não é a mesma coisa e acontece que, neste caso, o factor financeiro não seria assim tão impossível de resistir. O Benfica recebe metade do valor da transferência e o empresário recebe 8 milhões pelos 20% que detinha do passe... Quem terá pressionado mais a venda?

9. Com Luisão na recta final e mais um ano de carreira, tenho esperança de ver um Jardel de novo em pleno. Espero que Grimaldo fique por cá e não pondo em causa o profissionalismo e polivalência de André Almeida, receio que as alternativas defensivas actuais não sejam suficientemente fortes.

10. Do meio-campo para a frente e mesmo dando de barato a saída de Raúl Jiménez ou de Mitroglou e também de Samaris, o plantel é valioso e estável. Com a revelação de Diogo Gonçalves, haverá a possibilidade de sair um ala. De todos, escolheria Carrillo. Mas não Salvio, que é não só um notável atleta como já um símbolo de êxitos e carisma. Tenho expectativas muito positiva quanto a Krovinovic e gostaria que João Carvalho pudesse agarrar esta oportunidade e André Horta tivesse a época que no ano passado prometeu e não concretizou por lesões. E como sonhar não paga imposto, bem gostaria de ver Renato Sanches a voltar à sua alegria contagiante de jogar no Estádio da Luz...

11. Compreendo e aplaudo a estratégia do presidente Luís Filipe Vieira na redução gradual e sustentada do passivo. E tenho a consciência que é complexo fazer convergir a qualidade do plantel e o saneamento do balanço. Todavia, nos últimos anos, foi categoricamente possível avançar nos dois tabuleiros. Para tal, muito contribuíram três factores:
a) maximização das oportunidades de transacções de mercado; 
b) planeamento e scouting de elevadíssima qualidade que permitiram reconstruir plantéis de época para época com a mesma eficácia e resultados;
c) a aposta na formação de jovens jogadores (quer nas camadas etariamente inferiores, quer através da gestão da equipa B), com condições técnicas, operacionais e logísticas que podem meças por esse mundo fora.

12. Muitas coisas se têm feito sobre o produto das alienações realizadas nos últimos tempo. Este jornal elencou-as no passado sábado. No ano civil de 2017, já foram facturados 160 milhões de euros! É obra! Interessante é verificar que, com Rui Vitória no comando da equipa, quatro jogadores vindos da formação e por ele lançados (Renato, Ederson, Lindelof, Nélson Semedo) renderam 140 milhões, a quem bem poderemos juntar mais 30 milhões relativos a Gonçalo Guedes que, verdadeiramente, só com ele se impôs.

13. Tudo considerado, o objectivo de penta (e consequente única ida segura à Champions), talvez devesse ter levado a uma maior moderação de saídas fundamentais e a uma projecção de um ano, não direi de retrocesso na redução do passivo, mas intercalar ou sabático de compromisso entre vitórias desportivas e saneamento do balanço.

Contraluz
Palavra: Canoa
Ouro e prata para portugueses, num feliz casamento de canoa e seu anagrama nação.
Número: J44
Depois de CR7, outro grande driblador em peladinhas.
Frase:
«Chegaram onde nenhuma equipa feminina portuguesa conseguiu chegar»
(Marcelo Rebelo de Sousa, ao receber a equipa de futebol feminino que jogará no Europeu). Então, por exemplo, o hóquei em patins e o atletismo não contam?
Acontecimento:
O inigualável Tour de France e o melhor torneio de ténis, Wimbledon.
Pensamento:
«O melhor psicólogo do atacante é a rede do adversário»
(Galvão Bueno)"

Bagão Félix, in A Bola

O ANÃO DA BISCA LAMBIDA


-Quando vi a entrevista de Octávio Machado, esse colosso do futebol, que nada sabe, nada diz, nem sabe responder a qualquer pergunta, nem falar sabe, lembrei-me do Sitio do Pica Pau Amarelo! 
- Digo isto porque quando oiço falar em passarinhos que pertencem a uma estrutura de futebol, alguém que ouve passarinhos , que comenta : " um passarinho contou-me) Ora, que eu me lembre os animais falavam no Sitio do Pica Pau Amarelo, ou então o homenzinho anda a fumar alguma coisa que faz rir, ou ter alucinações!
Rapazolas que estão a aprender a ser Presidentes, ( e não estamos a falar de alunos do Secundário) , só podemos estar a assistir a uma série dos anos 80 !

Esse Génio do futebol pensava que estava que aquela colectividade do  Lumiar  da bisca lambida era igual ou parecida com a a colectividade do Papa Apitos! É que estes papam tudo !
_É Apitos Dourados, é Apitos Finais, isto é tudo uma grande Pápa !!!!!!!!!!!!

- O mais curioso do " desconvidado " do casamento para mim, em vez de dizer o porquê de ter sido empurrado da colectividade do Lumiar, foi falar apenas do Benfica, dos jogos que foram prejudicados, esquecendo os 3 penaltys escandalosos que foram beneficiados , curiosidades do costume!

- Resumindo o assunto:

- O Gavião foi engolido pelos passarinhos , o  miúdo que está a aprender a ser Presidente chutou-o da colectividade para o olho da rua!Tiraram-lhe 8 mil euros por mês,( sejamos justos para dar conselhos os J.J.é uma pipa de massa!) e assim perdemos o the best no mundo do futebol, só lhe resta o tractor para tratar das vinhas, deve ser por isso que a voz é quase sempre imperceptível ! 
E a verdade é que estes personagens do futebol actual lembram-me a " Cuca" que queria despejar o mar com um balde ! O mesmo se pode dizer desta gente que quer que consideremos o Sporting um dos grandes, quando ganha 3 campeonatos em 40 anos ! Poupem-me !

Quanto á colectividade do Papa Apitos, quanta pressa !!!!!!!!!! Após 13 anos , será que foi a ameaça da reabertura do Processo Apito Dourado fez um milagre?????

Que se recorra para o TAD!
Sem medo!

Sempre juntos!

Paula Casaca!

OBS: À hora que foi publicado este post as coisas aqueceram entre o anão e o passarinho do Lumiar, as próximas cenas prometem. Aguardemos...

ATUALIDADE DESPORTIVA SL BENFICA - 21 JULHO 2017, BENFICA TV

                                           

PRIMEIRAS PÁGINAS: SEFEROVIC DOMINA AS MANCHETES


ISTO É MUITO INTERESSANTE, INBESTIGUE-SE A FUNDO...


José Fouto Galvan
Porque é que o José Fouto Galván apareceu a receber comissões da venda de 5 jogadores se nunca foi empresário de nenhum deles?
Slimani, João Mário, Rúben Semedo, Cédric e Bruma.

É verdade que ele é o "homem da mala" do presidente?
É verdade que o casamento foi pago por empresas que são do José Fouto Galván?
É verdade que custos da casa de Bruno de Carvalho são pagos com dinheiro vindos das mesmas contas?
É verdade que ele financiou a segunda campanha de Bruno de Carvalho?
É verdade que a ex-mulher de Bruno de Carvalho recebe uma mesada de vários milhares de euros a partir de uma dessas contas?

Retirdo da página Sporting Independente 

AQUECIMENTO BENFICA TV HD :: 20 JULHO 2017

                                           

quinta-feira, 20 de julho de 2017

BENFICA CONQUISTA ALGARVE CUP


Bis de Seferovic derrotou o Real Bétis. 
O Sport Lisboa e Benfica conquistou a Algarve Cup ao vencer o Bétis, por 2-1. Seferovic marcou para as águias e Sérgio Leon para os espanhóis.
Estádio do Algarve bem composto, com cerca de 10 mil pessoas. Os Benfiquistas a dizerem presente para ver o primeiro jogo do Tetracampeão em Portugal na pré-temporada.
Primeira parte animada de parte a parte, com as duas equipas a mostrarem acutilância ofensiva. No caso do Benfica, destaque para a capacidade de recuperação de bola evidenciada por Fejsa e Filipe Augusto e o desdobramento para o ataque que, em dois, três toques rápidos, colocava os avançados na “cara do golo”. O Bétis, por outro lado, apresentou um ataque mais rendilhado e trabalhado, privilegiando a posse de bola.

Foram, aliás, os espanhóis os primeiros a estar perto do golo. Aos sete minutos, Sérgio Leon rematou por cima da baliza de Júlio César. Na resposta, Jonas, servido por Hermes, levou perigo à baliza do Bétis.

Pouco tempo depois, aos 14’, momento de inspiração protagonizado por Seferovic. Fejsa recuperou o esférico, endossou Jonas que descobriu o internacional suíço. Com um chapéu muito bem executado, Seferovic fez levantar as bancadas do Estádio do Algarve. O camisola 14 estava endiabrado nos minutos iniciais e esteve perto do 2-0 aos 21 minutos.

Quem não marca, sofre. Minuto 32 e o Bétis empatava por Sérgio Leon após assistência de Joaquín. Já muito perto do intervalo, Rafa recuperou a bola, disparou rumo à defensiva andaluz e rematou cruzado perto da baliza de António Adán.
No reatamento, como vem sendo habitual, Rui Vitória fez algumas alterações. Nada que afetasse Seferovic. Triangulação do Benfica no meio-campo com Rafa a descobrir o avançado helvético que, isolado, atirou a contar. 2-1 aos 49’. Os espanhóis responderam aos 60 minutos, mas Sérgio Leon, na área, atirou ao lado.
O perigo voltou a rondar a baliza de Júlio César aos 71 minutos. Fabián “tirou da cartola” uma excelente jogada individual terminada com um remate ao poste. O Benfica não ficou atrás e a cinco minuto dos 90, Filipe Augusto atirou à barra.
No final do jogo, Seferovic recebeu o Prémio de Melhor Jogador do torneio numa votação realizada pelos jornalistas presentes no desafio.
O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Júlio César; Pedro Pereira, Luisão, Jardel, Hermes; Fejsa, Filipe Augusto, Cervi, Rafa; Jonas e Seferovic.
Jogaram ainda Lisandro, Aurélio Buta, Eliseu, Samaris, M. Chrien, João Carvalho, Diogo Gonçalves, Carrillo, Mitroglou

ATUALIDADE DESPORTIVA SL BENFICA - 20 JULHO 2017 BENFICA TV.

                                           

NOTÍCIAS BENFICA: BENFICA 21 HORAS 19-07-2017

                                           

PRIMEIRAS PÁGINAS


LANÇAS APONTADAS E BEM AFIADAS,BENFICA TV HD :: 19 JULHO 2017

                                           

quarta-feira, 19 de julho de 2017

OS NÍVEIS DA AZIA DO TRAQUES E DO SEM PESCOÇO VÃO DISPARAR


Jornalista espanhol escreve sobre o Benfica e define-o como um dos grandes do Velho Continente. 
Miguel Á. Morán, jornalista do diário desportivo “Marca”, analisou o embate desta quinta-feira entre as águias e o Bétis de Sevilha a contar para a Algarve Cup.
No arranque da conversa nada melhor do que contextualizar a importância dos verde e brancos no país vizinho e elogiar o estádio português que receberá o duelo.
“Na manhã de quinta-feira, 20 de julho, o Real Bétis Balompié viaja para Faro para enfrentar o Benfica, atual Campeão Nacional, no belíssimo Estádio do Algarve, construído especialmente para o Europeu de 2004, em Portugal. Um clube querido, admirado e muito respeitado em Espanha, cuja centenária e gloriosa história ultrapassa fronteiras”, analisou ao Site Oficial do SL Benfica.
Miguel Ángel Morán recordou, ainda, uma história rica em conquista por parte da equipa Benfiquista, mormente no futebol. “Campeão do torneio da regularidade no seu país, por 36 ocasiões, mais do que nenhuma outra equipa lusa, e com 26 Taças de Portugal a brilhar nas vitrinas da sua impressionante sala de troféus, o Benfica construiu, ao longo dos anos, uma imagem de Clube poderoso e ganhador, que impõe respeito e admiração, tanto em Espanha como em toda a Europa”, sublinhou o jornalista da “Marca”.
Apesar de ser um jogo de pré-temporada, o mesmo reveste-se de capital importância para o Bétis. O jornalista espanhol explicou porquê: “Para o Bétis, uma equipa que luta por regressar ao lugar que, por história, tradição e popularidade lhe pertence na LaLiga, o jogo será um importante teste para medir a evolução do novo sistema de jogo, de toque e posse de bola, que o seu técnico, Quique Setién, tenta implementar nestas primeiras semanas de pré-temporada.”
Algarve e a Andaluzia estão separadas por poucas centenas de quilómetros, logo são esperados muitos adeptos do Bétis nas bancadas do Estádio do Algarve. “Os adeptos “béticos”, ansiosos por encontrar motivos para sonhar, demonstrarão a sua fidelidade ao acompanhar a equipa ao Algarve, sabendo que, do outro lado, terão um dos adversários mais difíceis do calendário de verão: o clube com o maior palmarés de Portugal, que na próxima temporada participará na Liga dos Campeões e que, apesar de longe do intransponível Estádio da Luz, não quererá perder a oportunidade de mostrar todo o seu enorme potencial”, frisou Miguel Ángel Morán, que aproveitou para recordar a história gloriosa das águias: “Falar do Benfica em Sevilha é falar de um Clube lendário, por onde passaram personagens inesquecíveis da história do futebol. Por exemplo: o mítico Eusébio da Silva Ferreira, o Pantera Negra, um dos melhores jogadores de todos os tempos. Béla Guttmanm, treinador Húngaro cuja maldição continental foi muito comentada recentemente, aquando da final de Liga Europa em 2014 frente ao eterno rival dos verde e brancos.”
Porém, observou o jornalista espanhol, “no Bétis, recordam, sobretudo, o Tamagnini Nené, o jogador que em mais ocasiões vestiu a camisola vermelha do Benfica (575) e o terceiro com mais golos em jogos oficiais (360)”. Miguel Ángel Morán lembrou mesmo que Nené “marcou dois dos quatro com que o conjunto lisboeta, dirigido então por Sven-Göran Eriksson, eliminou o Bétis de Esnaola, Gordillo, Cardeñosa, Rincón ou Diarte, nos 32-avos de final da Taça UEFA de 1982/83”.
Benfica e Bétis medem forças às 20h30 de quinta-feira, no Estádio do Algarve.
Texto: Miguel Ángel Morán/Jornalista “Marca” Sevilha

A PROPÓSITO DE ÁNGEL VILLAR


"Há precisamente um ano e nove dias Cristiano Ronaldo, capitão de Portugal, recebeu a taça de campeão da Europa das mãos do presidente interino da UEFA, Ángel Villar. Hoje, Villar, que lidera a Real Federação Espanhola de Futebol há 29 anos, está preso, acusado de corrupção. Este é o mais recente sinal público de como os tempos estão a mudar e a malha apertada chegou em força ao mundo do futebol. De há duas décadas a esta parte, dois fenómenos coexistirem e expandiram-se para alterar o business no beautiful game. O primeiro, associado à lei Bosman, prendeu-se com o aumento exponencial das transferências, colocando os empresários num papel central que não tinham antes; o segundo teve a ver com a entrada em força da televisão no negócio, com todas as perversões que daí acabaram por decorrer. A esta nova realidade emergente nos anos 90, as autoridades fiscais não foram capazes de dar resposta cabal. E tornou-se relativamente fácil e extremamente apetecível negociar por baixo da mesa, dinheiro que saía dos cofres do comprador e até chegar aos bolsos do vendedor fazia a felicidade de muita gente.


A pouco e pouco as coisas foram mudando, a triagem das autoridades passou a ser mais apertada, os países começaram a cooperar tornaram-se frequentes, chegando ao auge no megacaso da FIFA que acabou por custar a presidência a Sepp Blatter e a liberdade a muitos dos seus vice-presidentes. A prisão de Ángel Villa não terá apanhado ninguém de surpresa. E mostra-nos que demasiado tempo no poder desenvolve um sentimento de impunidade muitas vezes fatal..."



José Manuel Delgado, in a bola

OBS: Ó Delgado olha que o Madail mostrou muita surpresa com a prisão do Villar, andas distraído?porque será?

NÃO EXISTE CAMPEONATO DA PRÉ-ÉPOCA


"Mais importante que os resultados imediatos é a preparação para os jogos a sério. O Sporting te pressa e o Benfica precisa de mais meios.

Para que servem os jogos de preparação? De que valem as vitórias e as derrotas na pré-temporada? Estas perguntas, na vertigem do imediato, ficam demasiadas vezes por responder e, no fim de contas, são muito relevantes...
A única coisa realmente importante, de facto, é que cada equipa chegue à competição oficial na melhor condição possível. Porém, pelo caminho, há circunstâncias a considerar, que têm a ver, essencialmente, com a reputação dos clubes e o estado de espírito com que os adeptos vão encarar a época. Benfica e Sporting, por exemplo, estão em acção e não têm obtido resultados positivos; o que não quer dizer que a preparação não esteja a ser boa. Desde que as devidas ilações sejam retiradas...
No Sporting vê-se uma tremenda necessidade, de Jorge Jesus, de acelerar todos os processos de integração, mesmo que à custa de alguma razoabilidade. Os leões têm dois jogos determinantes para o todo da temporada, na Champions, em meados de Agosto, e precisam de criar automatismos tão cedo quanto possível. Esbarram, contudo, na dúvida sistemática que afecta quase todas as equipas de top: com quem vão poder contar (e, no caso dos leões, Patrício, William, Adrien e Gelson, ficam ou saem?), qual será o desenho final do plantel?
Já Rui Vitória, que não está tão pressionado pelo tempo, enfrenta uma magna questão. Perdeu Ederson, Nélson Semedo e Victor Lindelof, como vai recompor a defesa? E será que ainda vai ter de abdicar de mais unidades? Para já, a goleada sofrida frente ao Young Boys (o jogo valia o que valia mas para os emigrantes era importante!) só confirmou o que aqui escrevi há precisamente uma semana. O Benfica precisa de, pelo menos, contratar um defesa central de créditos firmados, se não quiser andar no fio da navalha numa época que pode ser histórica. Os encarnados, nesta altura já de cofres bem recheados, podem chegar a um penta inédito e, ao mesmo tempo (e quiça de igual importância), podem calar as vozes que lhes têm infligido danos reputacionais. Nenhum argumento falará mais alto, nem produzirá efeitos mais interessantes na óptica do Benfica, do que uma época de sucesso desportivo. E, por melhor que seja a formação do Seixal, por mais méritos que Rui Vitória possua, tal desiderato não será alcançado sem os meios necessários...

ÁS
Lewis Hamilton
A correr em casa, o piloto britânico teve um dia bom e aproximou-se de Vettel, deixando o campeonato de F1 ao rubro. Creio que este é um bom momento para reflectir sobre a importância da rivalidade na história do desporto. De Fischer a Spassky, de Borg a McEnroe, de Prost a Senna, de Cristiano Ronaldo a Messi.

ÁS
Fernando Pimenta


canoísta português saiu do Campeonato da Europa com uma medalha de ouro (K1 1000) e outra de prata (K1 5000), o que confirma o nível altíssimo a que continua a competir. Já a dupla Francisca laia/Joana Vasconcelos (K2 200) garantiu a prata. Constatação imediata: vale a pena apostar na canoagem nacional!



ÁS
Nélson Semedo
Há dois anos, quando Maxi Pereira saiu do Benfica e assinou pelo FC Porto, quem conhecia Nélson Semedo? A afirmação do lateral-direito foi meteórica e levou-o a entrar pela porta grande no Barcelona, numa transferência estratosférica, que pode ir bem além dos €30 milhões. No futebol, o céu é o limite do sonho...

A idade, a falta de filtros e os espíritos livres
«Ronaldo é um excelente atleta, tem imenso mérito, mas é um estupor moral, não pode ser exemplo para ninguém...»
Gentil Martins, médico, in Público
Senti isso nos últimos anos de Mário Soares e sempre achei desprezível o aproveitamento que fizeram da sua derradeira fase pública. A idade avançada, mesmo quando não retira lucidez, por vezes leva os filtros, o que faz com que espíritos livres fiquem à mercê do que deles que se quer trazer à estampa. Matéria de reflexão, seguramente, para a classe dos jornalistas.

Roger Federer
 muitos anos, quase vinte, João Lagos disse-me: «Toma atenção, o Federer vai ser o maior tenista da história». Registei. Ontem, perante o 19.º 'Grand Slam' do tenista, coincidindo com a oitava vitória em Wimbledon, recordei quem me falou do suíço, com conhecimento de causa. De férias no Alvor, foi aí que assisti ao feito de Federer. A televisão do Restinga estava ligada, sem som, e parecia que ninguém estava a ligar à final. Porém, quando Roger Federer concretizou o 'match point', ouviu-se um aplauso espontâneo, que demonstrou a universalidade do veterano tenista (e creio que não havia nem um suíço no restaurante da praia...).

Espanha, tão perto e cada vez mais longe!
Garbiñe Muguruza, vencedora em Wimbledon, é a mais recente heroína do desporto espanhol. Mais uma vez constato: Espanha, tão perto e tão longe... 'Nuestros hermanos' são um país de desporto, enquanto nós não passamos de uns amadores, meros coleccionadores de boas vontades. E não há quem queira mudar isto?"

José Manuel Delgado, in a bola

NOTÍCIAS BENFICA: BENFICA 14 HORAS 19-07-2017

                                          

ATUALIDADE DESPORTIVA SL BENFICA - 19 JULHO 2017

                                           

105 x 68 - BENFICA TV HD - 18 JULHO 2017

                                           

"O BENFICA É UM CLUBE FANTÁSTICO"


Anunciado a 29 de junho como reforço do Voleibol do SL Benfica, Dusan Stojsavljevic foi apresentado oficialmente esta terça-feira. Em declarações à BTV, o jogador de 27 anos mostrou-se muito grato por esta oportunidade.
“O Benfica é um grande clube, com muitos fãs, é fantástico. É um prazer estar aqui”, começou por dizer o voleibolista.
“As condições do Benfica são as melhores. O Benfica é uma equipa campeã e para mim isso é muito importante. Vim para ganhar e a ajudar a equipa em manter esses resultados e conquistar mais títulos”, confessou.

Para Dusan Stojsavljevic é um prazer vestir a camisola encarnada e garante que vai dar o seu melhor enquanto estiver ao serviço do SL Benfica.
“Estou aqui para jogar voleibol e vou dar o meu melhor. Adoro ganhar, não gosto de perder e espero que seja uma época de sucesso”, concluiu o sérvio.
Nascido a 31 de agosto de 1989, o sérvio encara agora a primeira experiência fora do país natal. Na Sérvia, passou por clubes como Ribnica (2012/2013), Mladi Radnik (2013/2014), Djerdap (2014/2015) e Crvena Zvezda (2015/2016)… e agora chega ao Benfica.



“Tem as características técnicas que necessitávamos para a equipa”
O vice-presidente, Domingos de Almeida Lima, elogiou o jogador e garantiu que vai trazer muito valor à equipa.
“É um excelente atleta, as referências que temos são realmente muito boas. Tem as características técnicas que necessitávamos para a equipa”, revelou.
Até ao momento são quatro as caras novas do Voleibol encarnado. Miroslav Gradinarov, Filip Cveticanin, Dusan Stojsavljevic e Mrdak vêm enriquecer o plantel comandado por José Jardim.

ELISEU RENOVOU CONTRATO


ELISEU: " O objectivo sempre passou por continuar"
Defesa esquerdo vai entrar na 4.ª temporada de águia ao peito. 
Eliseu, defesa esquerdo do Sport Lisboa e Benfica, de 33 anos, renovou contrato por mais uma época. O internacional português entra, então na 5.ª temporada no Clube.
Na hora de renovar a ligação, Eliseu revelou que recebeu propostas de outros clubes, mas só pensou em continuar na Luz.
“A verdade é que havia muitas propostas, mas eu e o Benfica tínhamos um objetivo, que passava por eu continuar no Benfica. Tanto eu como o Benfica estamos contentes e agora é seguir mais um ano de águia ao peito”, referiu, em declarações à BTV.

Numa alusão à Vespa do Tetra, Eliseu assegurou que a equipa vai arrancar “prego a fundo, mas sempre com cautela”, pois sabem que a Liga NOS “são 34 jornadas”. “Temos de acelerar, mas sempre com cautela porque vai ser uma época muito difícil, intensa, mas penso que tanto eu como o Benfica estamos preparados”, reforçou o defesa.

O internacional português assumiu estar feliz no Clube e garantiu que vai dar tudo pela camisola. “Não só eu, como a minha família estamos muito felizes por continuar aqui no Benfica, e penso que agora é retribuir a confiança que o Benfica me está a dar mais um ano e dar tudo em campo”, apontou.

Por ter estado na Taça das Confederações ao serviço de Portugal chegou mais tarde. Admitiu as saudades e mostrou-se ansioso por regressar. “As saudades já são muitas. É um grupo de trabalho fantástico. Foi dos melhores balneários que encontrei até hoje no futebol, e estou desejoso para voltar a estar com os meus companheiros”, revelou.
O Benfica é Tetracampeão, mas no ADN do Clube está a palavra vencer. Assim sendo, o grupo orientado por Rui Vitória ambiciona ainda mais. “Acho que ambicionamos sempre mais, mas sabemos que vai ser difícil. Temos de trabalhar muito, mas penso que, com compromisso e entrega de todos, vamos conquistar muitas coisas este ano”, afirmou.
O O lateral já conta com 97 jogos oficiais de águia ao peito, onde também soma quatro golos. Eliseu, na Luz, já festejou – de vespa e sem ela – três Campeonatos Nacionais, uma Taça de Portugal, duas Taças da Liga e uma Supertaça Cândido de Oliveira.

NOTÍCIAS BENFICA: BENFICA 21 HORAS 18-07-2017

                                           

PRIMEIRAS PÁGINAS


terça-feira, 18 de julho de 2017

A "VINGANÇA" DE PIZZI


"O leitor vai achar-me narcisista, mas quando o Witsel deixou a Luz respondi espontaneamente a um amigo benfiquista que me perguntou, aflito, quem o poderia substituir: 'O Enzo Pérez.'.

Embora este jogasse a extremo, vi nele qualidades para jogar mais no miolo do campo: era muito batalhador, nunca se dava por vencido, segurava bem a bola e corria com ela dominada.
Mas, tempo depois, Enzo também saiu - e o problema voltou a colocar-se. Não havia, aparentemente, no plantel do Benfica ninguém para o substituir. Sucede que, num jogo da Taça de Portugal contra o Braga, na Luz, Jorge Jesus fez um onze alternativo e colocou Pizzi na posição 8. E foi para mim uma revelação, mostrando capacidade para ter bola e visão de jogo para fazer passes a rasgar - daqueles que, como por magia, deixam para trás os defesas adversários e isolam os companheiros. Mas, depois deste jogo, Pizzi não voltou a actuar nessa posição.
Tempo mais tarde, em conversa com Jesus, este mostrava-se preocupado com a falta de um número 8, e eu alvitrei, a medo: ‘’Tem o Pizzi...’’ Mas apesar de ter sido ele a experimentá-lo no lugar, não se mostrou convencido: “Ao Pizzi falta intensidade, não mete o pé, não mete a cabeça…’’ De facto, nesse jogo com o Braga, ele fora parcialmente responsável pelo golo que derrotara o Benfica, deixando Pardo correr sozinho durante 30 metros.
A verdade é que, no jogo a seguir à nossa conversa, Jorge Jesus meteu mesmo Pizzi a titular na posição 8. E ele saiu-se bem. E a partir daí não mais largou o lugar. Aquele que nunca passaria de um número 7 mediano tornou-se um excelente número 8.
Quando Jorge Jesus saiu, porém, o tempo de Pizzi parecia ter acabado. Fora uma “invenção” de Jesus e este já não riscava nada na Luz. No seu lugar passou a jogar - e bem - André Horta. Pizzi começou então a sentar-se no banco, e quando entrava era para jogar a extremo direito, na sua antiga posição. 
Mas Horta lesionou-se, Rui Vitória ainda tentou outras experiências - tais como meter Samaris a jogar ali -, mas acabou mesmo por render-se a Pizzi. E este fez tão bem ou tão mal o lugar que nunca mais o largou. Passou a ser tão insubstituível… que nunca era substituído. Tornou-se um dos jogadores com mais minutos. Quando parecia esgotado, ia buscar sempre novas energias a uma reserva escondida. Nunca parava, como as pilhas Duracell.
E acabou por ser considerado, este ano, o melhor jogador do campeonato.
Depois de ter vencido o cepticismo de Jorge Jesus, depois de ter obrigado Rui Vitória a render-se, depois de ter conseguido ser convocado para a selecção, só falta mesmo a Pizzi convencer Fernando Santos a dar-lhe a titularidade na equipa nacional. Já faltou mais. Até porque, sempre que foi chamado a actuar, nunca desiludiu."

ATUALIDADE DESPORTIVA SL BENFICA - 18 JULHO 2017 BENFICA TV

                                           

AS REGRAS DOS JOGOS BENFICA TV HD :: 17 JULHO 2017

                                       

PRIMEIRAS PÁGINAS


UM AZAR DO KRALJ


O viajante Adu, o cepo Karadas e Fabrice Alcebiades Maieco (?) - assim, de repente, os maiores flops do Benfica (...)
"Freddy Adu
Até hoje continuamos a tentar perceber se a culpa foi do championship manager, de vários olheiros com cataratas, da internet, ou se tudo não passou de uma brilhante jogada de marketing que nos enganou a todos. Sim, a você também. O ano é 2006. O Youtube existe há cerca de 1 ano. Os primeiros vídeos de gatos começam a ser carregados para a plataforma e tudo corre bem. Ouvimos falar de um jogador norte-americano, muito novinho mas incrivelmente talentoso. Os vídeos não mentem. Freddy Adu é o nome. Bola coladinha ao pé, dono de um sprint muito respeitável, e tão novinho que até assusta. O céu é o limite.
Era ver aquele talento prodigioso a ultrapassar adversários como se fossem pinos, desde relvados de futebol semi-amador a campos de futebol americano. 11 anos mais tarde, o mundo questiona-se: seriam de facto pinos? O que sabemos hoje é que Freddy Adu passou pelas instalações do Benfica numa fase da sua carreira em que, sinceramente, já fazia lembrar os Guano Apes a tocarem numa semana académica. Notável para alguém que chegou a Portugal com apenas 19 anos. Desta feita via-se ali talento, não para o futebol mas para constar de um texto como este. 11 jogos miseráveis e 2 golos depois, ainda contratualmente ligado ao Benfica, Freddy Adu terá descoberto a sua verdadeira paixão: viajar. Foi assim que ao longo dos 9 anos seguintes o nosso Freddy passou por França, Grécia, Turquia, regressou aos EUA, esteve no Brasil, na Sérvia e na Finlândia. E isto se falarmos apenas de contratos de trabalho. Fez tudo isto antes dos 30 anos de idade e antes de voltar aos EUA, onde infelizmente a modalidade evoluiu ao ponto de tornar evidente que Freddy Adu não é nem nunca foi grande futebolista. Moral da história? Não acreditem em tudo o que vêem na internet.

Mostovoi
Anos houve no Benfica em que, por muito bom que se fosse, nem o talento poderia salvar os jogadores (e os adeptos) da desilusão. Aleksandr Mostovoi chegou ao Benfica para prolongar a linhagem russa no Benfica. Não que esta tenha produzido resultados épicos, mas Yuran e Kulkov chegaram a ser importantes. Ora, Aleksandr Mostovoi chegara com fama de ser tão bom ou melhor que estes dois. 9 jogos e uma época depois, a presença de Mostovoi no plantel fazia tanto sentido quanto chamarmos russa a uma pilha de batatas, cenouras e ervilhas coberta de maionese.
Pior contratação porque não deu em nada, melhor porque, de todos os flops benfiquistas, quase nenhum outro foi tão bem sucedido após sair do clube - excepção feita a Mario Stanic, que também se veio a descobrir, depois de abandonar o clube, ser um bom jogador de futebol. Mostovoi é hoje conhecido em Espanha como o Príncipe de Vigo, um jogador cerebral e aguerrido como como poucos que voltaria a aparecer no radar do Benfica, desta vez como um dos principais autores de uma goleada histórica, o 7-1 do Celta ao Benfica. Fez um golo e três assistências, e só não fez mais porque felizmente um jogo de futebol dura 90 minutos.

Karadas
Cepos houve muitos, mas só um poderia ter competido com Ivica Kralj pelo nome da nossa página de Facebook. Azar Karadas. A tentação da piada fácil poderia levar-nos a resumir este cromo simplesmente ao seu primeiro e último nome, mas seria injusto, não apenas porque diminuiria o jogador, mas ainda porque não nos daria pretexto para nomear o seu tio e empresário: Jack Karadas. Azar foi contratado pelo Benfica após uma alegada exibição vistosa ao serviço do Rosenborg, numa noite gélida quase tão difícil de explicar quanto o caso Camarate. Treinado por Giovanni Trapatonni, Azar Karadas viria a marcar 4 golos importantes num dos campeonatos mais atípicos da história do futebol, que terminaria com Bruno Aguiar e Simão Sabrosa em cuecas num balneário do Bessa a ouvir música num iPod.
Anos mais tarde, encontrou a felicidade no centro da defesa do Kasimpasa, clube turco em que alguns de nós teriam lugar como avançados. Em 2010, já refeito da sua carreira, Karadas confessou à imprensa portuguesa que nunca devia ter jogado como avançado, uma afirmação que faria mais sentido se lhe retirássemos as palavras "como" e "avançado".

Felipe Menezes / Djuricic
Um brasileiro, o outro sérvio, o mesmo talento desperdiçado, a mesma irritação causada aos adeptos. Infelizmente nunca jogaram juntos. Teria sido uma espécie de acontecimento científico desse ano, um abrandamento de partículas nunca antes visto. Em comum têm duas coisas. Chegaram ambos ao Benfica rotulados de craques. Um chegou como craque brasileiro, aquele selo de qualidade que nunca nos desiludiu. O outro chegou como craque sérvio numa altura em que qualquer pessoa natural desse país seria bem recebida na Luz, eventualmente até com um contrato de trabalho à sua espera (vide irmãos de Matic e Markovic). Para além disso, jogavam ambos com aquele ar de enjoadinho, como se ninguém desde os infantis lhes tivesse explicado que é preciso correr ou que a bola não é só para eles. Desculpem lá, amiguinhos.

Fabrice Alcebiades Maieco
Não tem nome de futebolista, o que talvez explique os contornos da sua passagem pelo Benfica. Fabrica Alcebiades Maieco é Akwá, o segundo maior equívoco em que julgámos ter encontrado um novo Eusébio. Akwá tem no entanto uma enorme vantagem face a Pedro Mantorras: dois joelhos operacionais. Tirando isso, os talentos de um e outro nunca foram comparáveis. Mantorras era repentino. Akwá dava pena. Mantorras era veloz. Akwá era atroz. Mantorras irradiava alegria em campo. Akwá devia ter sido irradiado. Mantorras era fortíssimo nos lances individuais, Akwá era fraquíssimo em qualquer colectivo. Mantorras foi avaliado em 18 milhões de contos, Akwá foi avaliado em 18 milhões de kwanzas. Enfim. Akwá mal jogou no Benfica, felizmente, e a grande verdade é que nenhum deles foi o novo Eusébio, até porque o Rei era moçambicano e estes dois são angolanos, o que acaba por ser um bocadinho racista da vossa parte."

LUZ E SOMBRAS


"Sejam (os) transparentes: há uma disputa, mesmo que surda, e entre nós, entre Federação e Liga, entre clubes relevantes e Liga.

1. O Benfica fez até ao momento cento e doze milhões e meio de euros em venda de jogadores. Números que impressionam. Luzes de milhões. Três dos titulares da sua defesa na última época e da sua equipa legitimamente ganhadora da última liga - ou seja do merecido tetra! - vão jogar na riquíssima liga inglesa e na linda cidade de Manchester e, também, na fortíssima e emblemática cidade de Barcelona e no seu clube de referência. E em relação a Nélson Semedo com uma imensa alegria financeira para Sintra e para o Sintrense. Recordo bem que o Nelsinho vestiu a bonita camisola do Sintrense em 2008/2009 com 15 anos. Há cinco anos foi transferido para o Benfica, tornou-se um defesa direito de excelência, chegou à Selecção Nacional e, agora, salta para Barcelona e vai conviver num balneário singular com Messi, Neymar e companhia. Vamos ter saudades da sua raça e das suas arrancadas. Dos seus centros e dos seus remates. Vamos recordar o seu percurso de Sintra ao Seixal com paragens de sonho no Estádio da Luz e em muitos estádios desta Europa do futebol. Mas a vida, esta nossa vida, é feita de constantes mudanças. E o Nelsinho que vi jogar a médio direito é, agora, um defesa direito que chama a atenção da Europa. É um exemplo para muitos jovens. Com trabalho e paciência, força e fé, perseverança e dedicação deixa um grande clube europeu e chega a um clube grande da Europa. Toda a sorte do mundo Nelsinho! Força! E sabemos bem que «a força sem inteligência é como o movimento sem direcção»!

2. Cada pré-época é um misto de surpresas impensáveis e de alegrias imprevistas. Ontem, na Suíça, o Benfica sofreu porventura golos a mais. Foi uma sombra de Benfica. Ontem frente ao pré Liga dos Campeões, o Young Boys, o Benfica sofreu cinco golos e mostrou que há que ter tempo para (re)construir uma nova defesa. Rui Vitória vai agarrar, vitoriosamente, mais este desafio. Com que se confronta, com uma naturalidade que perturba e uma segurança que impressiona, cada arranque de época. Ele sabe que o paradigma do Benfica, deste concreto Benfica, implica e determina em cada final de época - ou no seu meio em Janeiro! - que haja vendas impressionantes e aquisições motivantes. Ele sabe que tem de recompor a equipa e constata até finais de Agosto que tem de estar preparado para partidas e chegadas ditas quase inesperadas. Mas programadas como viáveis possibilidades. Mas que para ele, para Rui Vitória, as saídas e as entradas são sempre possíveis e assumidas com a naturalidade de ser um dos vértices relevantes do paradigma que o Benfica assumiu nos últimos anos e que tem na Academia do Seixal - veja-se Diogo Gonçalves! - o eixo motivante desta roda. Roda de um eixo que está para além de tantos e-mails, de perturbações e de condicionalismos que tornam singulares este futebol português. E da sua dita indústria. E Rui Vitória sabe que a reconstrução exige tempo e determina muita paciência. Acima de tudo para os adeptos. Mas o Benfica, este Benfica, também sabe que é na defesa que se constroem as conquistas das ligas. E a conquista do penta, nas actuais circunstâncias e como o ambiente condicionante, tem de ser um desígnio estratégico. Vivemos tempos de adaptação e de experiências. Vivemos momentos de novas companhias e de outras rotinas pessoais. E mesmo com a dor dos golos sofridos ontem na Suíça continuamos a acreditar nesta equipa e no conjunto das suas opções e a ter a convicção que ainda haverá outras saídas e novas entradas. Algumas ainda nesta quinzena de Julho e outras até ao final desde período fantástico de intermediação mundial de jogadores, ou seja, até final de Agosto. Já que «a única forma de prever o futuro é ter poder para formar o futuro»! Futuro que é também luz!

3. No desporto acredito que há consensos possíveis e compromissos improváveis. Neste desporto, e no seu concreto ambiente, há propostas que surgem e que, de repente, desaparecem. No desporto, nas suas actuais circunstâncias, há uma disputa oculta que determina que haja actores políticos responsabilizados e outros, os motivantes, ignorados. Escondidos nas traseiras de um palco em que o silêncio é cativante. O que ocorreu acerca de uma proposta de alteração legislativa no que concerne a poderes disciplinares e de arbitragem não tem uma cor de responsabilidade. Pode ter intervenientes com saudável ingenuidade face aos tempos que correm. E lemos opiniões, acrescento que legítimas, ao longo da semana - em, particular sexta e sábado - que se esquecem que o poder é uma realidade tridimensional e envolve poder, influência e autoridade. E no futebol o poder não está concentrado. Está distribuído. Muito distribuído. E na situação e ambiente que vivemos qualquer mudança perturba e arrepia. Se para uns é gula para outros é guerra. Se para uns é força para outros é fraqueza. Se para uns é necessidade para outros é fatalidade. Se para uns é realização para outros é imaginação. Sejam(os) transparentes. Há uma disputa, mesmo que oculta, e entre nós, entre Federação e Liga. Entre órgãos federativos e a Liga. Entre clubes relevantes e a Liga. Entre a angústia do situacionismo do Porto, não da luta pela sede da agência europeia do medicamento, e o sempre referenciado centralismo de Lisboa. Ou, agora, em rigor, e em termos do futebol lusitano, de Oeiras e do seu palco desportivo de excelência. Sei, desde que li Luc de Clapiers Vanvenargues que «quem é capaz de suportar tudo pode atrever-se a tudo». Mas sei também com Gandhi que «a força não provém da capacidade física, mas da vontade férrea». E esta força e esta vontade determinam muita lucidez. Já que desde Goethe sabemos que «a claridade é uma justa repartição de sombras e luz!» Digo bem: sombras e luz!"

Fernando Seara, in a bola