quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

PRIMEIRAS PÁGINAS


ESTREIA EM GRANDE NA 2.ª RONDA DA FIBA EUROPE CUP!


BASQUETEBOL
Benfica foi enorme e não deu hipóteses à formação belga. Na próxima jornada as águias viajam até à Alemanha…
Grande noite europeia no Pavilhão Fidelidade, com SL Benfica e Spirou Basket a medirem forças na 1.ª jornada da 2.ª Ronda da FIBA Europe Cup. Vitória taxativa das águias!
Foi com ambição e foco que o SL Benfica iniciou o desafio que marcou o arranque das águias na 2.ª Ronda da prestigiante competição europeia, após belíssima prestação na 1.ª Ronda de Grupos, culminada com o 1.º lugar final.

Primeira parte intensa e bem disputada! A meio do 1.º quarto os encarnados venciam por 14-8, com o coletivo de Charleroi a reagir e a aproximar-se: 23-20. Excelente entrada no 2.º quarto, com o jogo exterior a fazer a diferença, o que permitiu ao Benfica dilatar distâncias. Ao intervalo, na Luz, o marcador assinalava 42-33.
Na segunda metade o Benfica entrou mandão... e a meio do 3.º quarto eram 15 os pontos de diferença entre as duas formações, um fosso dilatado para 65-48 no fecho da meia hora de jogo. A abrir os derradeiros dez minutos a barreira dos 20 pontos de diferença foi finalmente quebrada, com as águias a mostrarem toda a sua qualidade. Até ao final, muito Benfica, com os encarnados a dominarem por completo as operações e a gerirem de forma muito inteligente. Triunfo, por 89-62, e a liderança do Grupo I.
A equipa comandada por Carlos Lisboa torna a entrar em quadra no próximo sábado, dia 14 de dezembro, com uma deslocação ao reduto da formação do Lusitânia. O início do jogo está marcado para as 15h00 no Pavilhão Municial de Angra do Heroísmo.
A 2.ª jornada da 2.ª Ronda da FIBA Europe Cup está agendada para o dia 18 de dezembro (quarta-feira), com os encarnados a viajarem até à Alemanha para defrontarem o Medi Bayreuth.
Benfica-Spirou Basket, 89-62
FICHA
Local Pavilhão Fidelidade
Cinco do Benfica Eric Coleman, Betinho, Damian Hollis, Rafael Lisboa e José Silva
Suplentes Gonçalo Delgado, Arnette Hallman, Anthony Ireland, Fábio Lima, Gary McGhee e Toure´Murry
1.º Quarto 23-20
2.º Quarto 42-33
3.º Quarto 65-48
4.º Quarto 89-62
Marcadores do Benfica Damian Hollis (18), Eric Coleman (18), Betinho (16), Anthony Ireland (11), Gary McGhee (9), Fábio Lima (9), Arnette Hallman (4), José Silva (2) e Rafael Lisboa (2)
DECLARAÇÕES
Benfica-Spirou
Carlos Lisboa (treinador do Benfica): “Vitória foi boa, estivemos muito bem em termos defensivos e conseguimos parar o ataque da equipa belga. Quando se defende bem, normalmente ganham-se os jogos. Fomos intensos e estivemos muito bem! Foi importante termos vencido. Fomos claramente superiores e vencemos com todo o mérito. O nosso grupo é muito equilibrado. Agora, o nosso foco está no próximo jogo para o Campeonato, que é frente ao Lusitânia, nos Açores, depois logo pensaremos na 2.ª jornada frente aos alemães. O nosso objetivo é sempre o mesmo, ganhar!”

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

UM AZAR DO KRALJ


As instruções de Lage que Samaris transmitiu e cumpriu à risca: Pelo Amor de Deus Não Se Deixem Empatar, Outra Vez
"Vlachodimos
Mais uma defesa para a fotografia aos 77'. Começam a ser muitas. Estão proibidos de fazer um daqueles vídeos com os melhores momentos que abundam no youtube.
Tomás Tavares
Foi um dos mais activos no Benfica Crossing Show que foi a primeira parte, mas soube corrigir o erro. Aos 18 anos descobriu o prazer de saborear um bom bife tártaro, fazendo dos portentosos adversários um saboroso picadinho de carne temperada com vodka e lágrimas russas. Repetiu, pois claro.
Rúben Dias
Estranha amizade esta que Rúben Dias forjou com Dzyuba, mutação em forma de humano que consegue juntar os bons pés à compleição física de um urso polar. Foi tentando fugir ao abraço caloroso do nosso Rúben, mas quase sempre sem causar perigo à população.
Ferro
Adquiriu ontem a sua primeira coleção de matrioskas, arrumando por ordem de tamanho os pobres dos russos que tentaram disputar lances com ele. Vai ficar especialmente bonito quando, em maio do próximo ano, for colocado sobre o naperon comemorativo da vitória na Liga Europa.
Grimaldo
Afinal o que é Grimaldo? Tal como as novas gerações que recusam ser identificadas pelo género e se dizem gender-fluid, também o espanhol se recusa a assumir uma única posição no relvado: ora é lateral esquerdo, ora direito, ora extremo, ora médio interior. Seja onde for, jogou quase sempre bem. Abracemos sem preconceitos este magnífico pansexual futebolístico. Gabriel Bem a cortar as vazas aos espertalhões que tentavam romper pelo corredor central, ainda melhor a gizar as variações de flanco e passes para colegas entre linhas que lhe têm saído quase sempre mal. É isto até maio,
Gabriel
Não mexe mais!
Taarabt
24 horas depois de sabermos que a Rússia será suspensa das competições desportivas de países, um vendedor de tapetes com pés abençoados consegue envergonhar ainda mais todo um país de perna aberta sem saber exactamente o que lhe aconteceu. Carrega Adelio. Procura-nos nas bancadas que os teus fãs encontram-te.
Pizzi
Na manhã antes do jogo houve pessoas - vamos chamar-lhe João - que prometeram a amigos, familiares e demais benfiquistas que se penitenciariam de uma vez por todas se Pizzi fizesse um bom jogo nesta última noite de Champions. Pois bem, estamos à espera. E escusam de tentar justificar-se com os quarenta e sete cruzamentos inconsequentes que Pizzi fez na primeira parte. Estava a afinar a pontaria. Cervi Mais uma noite de labuta com o argentino a chegar sempre primeiro à bola, sempre no estrito cumprimento das leis do jogo. Quem discordar pode enviar as suas queixas para ninguemquersaber@conselhodearbitragem.fpf.pt.
Chiquinho
Passou uma parte do jogo perdido na floresta boreal russa. Quando os colegas finalmente o encontraram entre linhas estava hipotérmico e a precisar desesperadamente de um golo para arrancar de vez com a sua trajetória de ídolo benfiquista.
Vinícius
Noite sem pose já não é a mesma coisa, mas felizmente soube manter-se dentro do jogo. Só há um problema: Vinícius precisa de um novo festejo para celebrar as muitas assistências que faz. São muitos meios golos que têm ficado por assinalar. Sugiro aquela pose de CEO do LinkedIn com o braço direito encostado ao peito como se estivesse engessado e a queixo pousado sobre a mão direita. Isso ou continuar a marcar golos e mandar-me dar uma volta ao bilhar grande.
Samaris
Assim que entrou no relvado explicou em três idiomas - português, francês e português brasileiro do Maranhão - as instruções que Lage lhe tinha transmitido: Pelo Amor de Deus Não Se Deixem Empatar Outra Vez. Os jogadores cumpriram, incluindo Samaris.
Seferovic
Parece mostrar alguma fome de bola, ainda que neste momento as emissões do Canal Vinícius façam do brasileiro o Panda desta analogia e o pobre do Seferovic um dos Caricas. Pessoas com filhos talvez percebam melhor o que quero dizer.
Caio Lucas
Grande momento "agora sem mãos" de Bruno Lage provando a todos os presentes que é possível vender uma partida da Liga dos Campeões com Caio Lucas em campo. Não gostei da provocação."
Um Azar do Kralj, in Tribuna Expresso

RÚSSIA, "DOPING" E O INCOMPREENSÍVEL


"A Agência Mundial Antidopagem tomou a decisão unânime de proibir a Rússia de realizar grandes competições internacionais, nos próximos quatro anos, e de apresentar equipas oficiais, sob a bandeira do estado russo, em grandes competições que se realizem noutros países. Do ponto de vista mais emblemático, está em causa a participação da Rússia nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no próximo ano, e no Mundial de futebol do Catar, em 2022.
Porém, nem tudo o que parece, é. Atletas russos que estejam comprovadamente limpos de um cadastro de doping poderão participar em todas as provas internacionais, desde que não representem, oficialmente, o seu país e não desfilem com a sua bandeira.
A decisão, vista à luz deste regime excepcional, já poderia ser considerada suficientemente vaga e hipócrita, mas ela torna-se absolutamente lamentável e, mais do que isso, incompreensível, se considerarmos o que se irá passar com o futebol.
A própria FIFA não sabe como proceder e - soubemos de fonte oficial da organização que tutela  futebol mundial - vai pedir explicações à Agência Mundial. Em primeiro lugar, porque a FIFA faz, ela própria, um controlo anti-doping independente e, até agora, não detectou qualquer irregularidade nas equipas e na selecção russa de futebol; depois, porque a própria Agência aceita que São Petersburgo, não só seja palco da final da Champions, que será vista pelo mundo inteiro e tem uma dimensão universal indiscutível, como ainda permitirá que São Petersburgo seja uma das cidades sede do próximo Campeonato da Europa de futebol. Ninguém percebe o critério e, sobretudo, ninguém o poderá achar credível."

Vítor Serpa, in A Bola

VITÓRIA SOBRE O AVANCA


DAVIDE E DJORDJIC: OS MARCADORES DA NOITE!
ANDEBOL
O Benfica ultrapassou o conjunto do Avanca, em jogo da 17.ª jornada do Campeonato Nacional de andebol.
A equipa de andebol do Benfica, liderada por Carlos Resende, venceu a AA Avanca por claros 38-26 no Pavilhão n.º 2 da Luz, em jogo relativo à 17.ª jornada da 1.ª fase do Campeonato Nacional.
Com cinco minutos decorridos, era possível verificar um jogo bastante bem disputado entre os dois conjuntos. O Benfica começou melhor, mas não aproveitou alguns contra-ataques para dilatar a vantagem. O Avanca moralizou-se, colocou o seu jogo em prática e conseguiu colocar-se na frente (3-4).

A turma orientada por Carlos Resende acelerou processos e aplicou a sua superioridade em quadra. Golos de belo efeito por parte de Djordjic, Vidrago e Nyokas permitiram às águias passar de um resultado negativo para três tentos de diferença (7-4).
As combinações encarnadas surtiam efeito e o Benfica conseguia ter aqui uma boa "almofada" de conforto. Sete pontos de vantagem! (15-8) Um fosso cada vez maior que espelhava a qualidade das duas equipas.
Djordjic continuava a espalhar a sua magia em campo, fazendo jus ao seu nome próprio: Petar. Era mesmo ao "petardo" que o camisola 44 das águias ia balançando as redes adversárias. Ao intervalo: 20-13.
A toada de jogo manteve-se a mesma na 2.ª parte. Os benfiquistas continuavam a dominar e o Avanca pouco podia fazer para contrariar a superioridade apresentada pelos atletas da casa (26-17).
Carlos Resende aproveitou a vantagem conquistada pela sua equipa para poder rodar alguns dos jogadores. O resultado assim o permitia e a dez minutos do final era de 30-21.
O Benfica geria bem o seu tempo de ataque, Miguel Espinha também se apresentou a um grande nível na baliza das águias e o resultado final foi amplamente favorável para o Clube da Luz. No final: 38-26.
Com este triunfo o Benfica soma 43 pontos no Campeonato Nacional, fruto de 13 vitórias e quatro derrotas. No jogo da próxima jornada (18.ª), que se irá realizar no dia 14 de dezembro às 15h00, os benfiquistas defrontam o Madeira SAD, fora de portas.
Benfica-Avanca, 38-26
FICHA
Local Pavilhão n.º 2 da Luz
Formação do Benfica Miguel Espinha, Carlos Martins, Nyokas, Pedro Seabra, Djordjic, Fábio Vidrago e Paulo Moreno
Suplentes Romé Hebo, João Pais, Rene Toft Hansen, Bélone Moreira, Ricardo Pesqueira, Carlos Molina, Nuno Grilo, Fábio Antunes, Davide Carvalho e Gustavo Capdeville
Ao intervalo 20-13
Marcadores do Benfica Petar Djordjic (7), Davide Carvalho (7), João Pais (4), Fábio Antunes (4), Ricardo Pesqueira (3), Bélone Moreira (3), Nuno Grilo (2), Nyokas (2), Carlos Martins (2), Pedro Seabra (2), Rene Toft Hansen e Romé Hebo

BELA EXIBIÇÃO


"Depois dos bons sinais deixados na Alemanha, continuados nas partidas do Campeonato Nacional ante Marítimo e Boavista, ontem atingimos o objectivo possível – o apuramento para a Liga Europa – fruto de uma bela exibição coroada com três golos sem resposta.
Naquele que era considerado, após o sorteio, o grupo mais equilibrado da Liga dos Campeões, os resultados e a classificação confirmaram a ideia de que qualquer dos clubes poderia ter passado aos oitavos de final. À nossa equipa teria bastado, por exemplo, a obtenção dos três pontos em Leipzig, o que não aconteceu por mera infelicidade nos minutos finais da partida.
A vitória, por 3-0, frente ao Zenit, o líder destacado do campeonato russo com dez pontos de avanço do Krasnodar, além de ter possibilitado a continuidade nas competições europeias, confirmou o bom momento que a nossa equipa atravessa, quer no plano dos resultados como no exibicional. Desde 2010 que não marcávamos pelo menos três golos no Estádio da Luz num jogo a contar para a fase de grupos da Liga dos Campeões (Lyon). E é preciso recuar a 2006 para encontrarmos uma vitória por três golos de diferença (Celtic).
Este foi também um resultado importante na consolidação da posição de Portugal no ranking de clubes relativo às competições europeias e abre agora um novo objectivo, que é o de chegarmos o mais longe possível na Liga Europa.
Mas, entretanto, o foco já está redirecionado novamente para o Campeonato Nacional. No próximo sábado defrontaremos o Famalicão, na Luz, às 18 horas. Os famalicenses têm feito um campeonato notável, ocupando presentemente o terceiro posto da classificação.
Restam-nos duas notas individuais: para Pizzi, que chegou aos 16 golos na temporada ainda a meio de dezembro, superando o recorde de carreira conseguido na época passada; e para Gabriel, que chegou à meia centena de jogos de águia ao peito.

P.S.: Ontem vencemos também noutras duas frentes europeias. Na Youth League, o apuramento para os oitavos de final já estava garantido e derrotámos o Zenit. E, no voleibol, tivemos um final de tarde glorioso, conseguindo somar os três pontos (vitória por 3-1) no confronto com os polacos do Verva Varsóvia, um clube que conta, nas suas fileiras, com vários jogadores vencedores de títulos pelas suas selecções, nomeadamente a polaca e a francesa."

PRIMEIRAS PÁGINAS


terça-feira, 10 de dezembro de 2019

ÁGUIA LIGADA À EUROPA


Benfica despede-se da Champions com triunfo sobre o Zenit e assegura presença na Liga Europa.
Águias asseguraram a qualificação para a Liga Europa, já o Zenit teve o pássaro na mão na Champions e está fora das competições europeias.
O Benfica protagonizou, esta terça-feira, a melhor exibição da fase de grupos da Liga dos Campeões e venceu o Zenit por 3-0. Com este resultado, as águias seguem para os 16 avos de final da Liga Europa.
Na despedida do Benfica da fase de grupos da Liga dos Campeões, o Benfica sabia que dependia de si para chegar aos 16 avos de final da Liga Europa. Para lá chegar, as águias estavam obrigadas a vencer o Zenit por 2-0 ou por três ou mais, se sofrerem um golo – o que desempataria o confronto com os russos -, ou até por 1-0, mas apenas se o Lyon perder na receção ao Leipzig.
Já em relação à equipa russa, até uma derrota podia chegar para assegurar a qualificação. Também por isso, os ouvidos também estavam em França, onde Lyon e Leipzig mediam forças.
O Benfica procurava a quarta vitória frente ao Zenit, no novo embate entre as duas equipas. Sem André Almeida, indisponível por razões físicas, Bruno Lage fez uso da máxima: 'Equipa que ganha, não se mexe', mantendo o onze que goleou o Boavista no Bessa, com Tomás Tavares no lado direito e com Taarabt e Gabriel no eixo central.
Essa dupla no miolo acabou por ser uma das chaves da partida frente aos russos, com o Benfica muito esclarecido na primeira fase de construção e a chamar para si o controlo da bola, perante um Zenit a jogar em bloco baixo e na expetativa à espera do que podia fazer a equipa de Bruno Lage.

Embora com mais bola, os encarnados não conseguiram criar grande ocasiões na primeira parte, onde faltou definição no último terço, com Vinícius demasiado isolado na frente, perante o compacto eixo central da equipa montada por Sergei Semak.
O primeiro apontamento da partida saiu do pé de Taarabt, um dos melhores em campo da noite fria na Luz.
Com dificuldade de penetração nas fases mais adiantadas do terreno, o Benfica tentava fazer uso dos remates de meia distância. À passagem do minuto 16´, os encarnados cheiraram o golo num pontapé de Pizzi a passar muito próximo da barra da baliza à guarda de Kerzhakov. Quase de seguida foi Chiquinho, em nova recuperação de bola dos encarnados, a estar perto do primeiro, em novo remate à entrada da área.
Só nos últimos minutos da primeira parte, é que o Zenit através de transições se mostrou, isto através dos dois homens da frente: Dzyuba, um autêntico tanque de bola no pé, e Azmoun, o virtuoso jogador iraniano, que ao minuto 37´, teve o golo nos pés num remate em arco, depois de servido pelo russo.
Na segunda parte, tudo foi diferente, e Bruno Lage nem teve que mexer. O golo dos encarnados chegou logo a abrir, numa jogada iniciada por Vinícius e finalizada por Cervi, depois de um cruzamento de Pizzi.
O golo deu confiança à equipa de Bruno Lage, que mais solta, circulava com fluidez, com a equipa russa atrás da linha da bola. O 2-0 chegou ao minuto 63´, numa grande penalidade. Douglas Santos colocou a mão à bola, levou o segundo amarelo e foi expulso. Na conversão, Pizzi enganou Kerzhakov e dilatou a vantagem encarnada.
Com o Benfica com a Liga Europa no bolso, era o Zenit que tentava ir à procura do golo, embora o resultado no outro encontro se lhe fosse favorável para a qualificação. A vertigem russa abria espaços nas costas da defesa, e o Benfica tentava aproveitar nas transições e podia ter dilatado primeiro aos 63´por Cervi, e aos 78´, por Vinícius, com os dois jogadores a terem tudo para marcar. Na sequência do lance, o 3-0 apareceu mesmo. Depois de um pontapé de canto, o infeliz Azmoun atirou a bola para a própria baliza.
Nos últimos minutos aumentou a tensão na Luz. Chegava a notícia do golo do Lyon, o significava que o Zenit estava fora da próxima fase da Liga dos Campeões, mas poderia chegar à Liga Europa, caso marcasse um golo na Luz. Minutos finais de nervos, com as águias a tentarem gerir e com os russos desesperadamente à procura do golo.
O Benfica acabou por manter a baliza inviolada e assegurou presença nos 16 avos de final da Liga Europa.

ESTOFO EUROPEU!


VOLEIBOL
O voleibol do Benfica recebeu e venceu o Verva Varsóvia em jogo da Liga dos Campeões.
A equipa de voleibol do Benfica obteve, nesta terça-feira, o primeiro triunfo na Poule D da Liga dos Campeões. No Pavilhão n.º 2, na 2.ª jornada, os encarnados venceram, por 3-1, em exibição de gala e… com muito estofo!
Com as bancadas bem compostas e a puxarem incessantemente pelos comandados por Marcel Matz, o Benfica começou bem no 1.º set e esteve em vantagem desde o seu início. Do lado das águias destaque para a forte defesa, seja baixa, seja ao nível do bloco, e um ataque eficaz, nomeadamente nas zonas centrais e de oposto. Aquando do primeiro desconto de tempo, o resultado era de 16-13 para os da casa. No regresso, o Benfica manteve a distância e entrou nos 20 pontos com quatro de vantagem (20-16). Não mais permitiram veleidades aos polacos e fecharam o 1.º set em 25-19.
O Benfica arrancou bem o 2.º set e chegou aos 5-2. Todavia, o Verva Varsóvia reagiu e empatou 5-5, num lance em que pareceu haver dois toques no início da jogada. A partir daqui o equilíbrio foi a nota dominante, com nenhuma das equipas a superar-se claramente à outra. A exceção foi feita a partir dos 13-10, altura em que os da casa se distanciaram até aos 18-12, fruto da eficácia de serviço e do ataque de Rapha na zona 4. O Verva Varsóvia ainda esboçou uma tentativa de recuperação até aos 21-16, mas o Benfica ganhou 25-17 e aumentou o resultado para 2-0.
Ao equilíbrio no início do 3.º set, o Benfica respondeu com três pontos de seguida que colocaram o resultado em 10-7. Os polacos não se atemorizaram e estiveram pela primeira vez em vantagem no jogo aos 11-12, situação que conseguiram manter favorável nos pontos seguintes. O treinador italiano Andrea Anastasi do Verva Varsóvia operou mudanças na equipa e o Benfica sentiu dificuldades em ultrapassar a defesa adversária e parar o seu ataque. O 3.º set fechou em 22-25 para o conjunto polaco.
Motivado pela vitória no set anterior, o Verva Varsóvia rapidamente chegou aos 2-6 no 4.º set, o que obrigou Marcel Matz a parar o desafio. O desconto de tempo foi decisivo. O Benfica assentou o seu voleibol e empatou a contenda 7-7, com o Pavilhão n.º 2 ao rubro. A recuperação mexeu com os Campeões portugueses que dispararam no marcador até aos 13-10. Na quadra, o serviço, o bloco e o ataque personificaram os pontos encarnados, que encerraram o 4.º set em 25-21 e o jogo.
No fim de semana, a equipa de voleibol volta à ação, com dupla jornada a ser disputada nos Açores, diante do Clube K e Fonte do Bastardo.
Marcel Matz
DECLARAÇÕES
Marcel Matz (treinador do Benfica): “Foi um jogo equilibrado. Estivemos bem nos dois primeiros sets. O treinador deles [Verva Varsóvia] optou por colocar jogadores menos utilizados e nós aproveitámos. Baixámos o ritmo no 3.º set, eles melhoraram ao colocarem jogadores com maior ritmo. A diferença esteve nos erros, eles fizeram mais do que nós.”
Benfica-Verva Varsóvia, 3-1
FICHA
Local Pavilhão n.º 2
Formação do Benfica Rapha, Peter Wohlfi, Hugo Gaspar, Marc Honoré, Tiago Violas, Japa e Ivo Casas (L)
Suplentes André Lopes, Afonso Guerreiro, Théo Lopes, Miguel Sinfrónio, Zelão, Nuno Pinheiro e João Simões (L)
1.º set 25-19
2.º set 25-17
3.º set 22-25
4.º set 25-21

VITÓRIA SOBRE O ZENIT NA YOUTH LEAGUE


TRUNFO GERSON A FECHAR FASE DE GRUPOS DA YOUTH LEAGUE
FUTEBOL
O Benfica bateu o Zenit por 1-0 na 6.ª jornada da Liga dos Campeões jovem da UEFA.
Já apurada para os oitavos de final, a equipa Sub-19 do Benfica recebeu e venceu, nesta terça-feira, o Zenit por 1-0 na 6.ª jornada do Grupo G da UEFA Youth League, no Benfica Campus.
A atuar em casa e com as bancadas bem compostas, o Benfica quis desde cedo impor-se no jogo… e foi isso que fez. A primeira tentativa surgiu, aos 7’, pelos pés de Fábio Baptista, que, de longe, tentou o remate, mas a bola saiu rasteira e à figura do guarda-redes do Zenit.
Só se via Benfica, e aos 16’ Henrique Araújo esteve perto de inaugurar o marcador. O camisola 9 das águias recebeu a bola, fugiu do adversário pela direita, rematou, mas o guardião Odoevski impediu o golo.
Benfica-Zenit
Aos 29’, o Zenit aproveitou o contra-ataque e, com o seu primeiro remate na partida por Nogtev, pôs à prova Leo Kokubo numa defesa estirada que deu canto.
As melhores ocasiões continuavam a surgir por parte do Clube da Luz. À passagem do minuto 36, Jair Tavares recuperou a bola perto da área, passou para Ronaldo Camará e este encheu o pé para um remate fortíssimo que rasou a baliza adversária, dando a sensação de golo nas bancadas.
Apesar das várias tentativas da equipa da casa, o árbitro apitou para o intervalo e as formações foram para o balneário sem golos no marcador.
A segunda parte começou com uma alteração no xadrez do Benfica: Jair Tavares saiu para dar entrada a Gerson Sousa (estreia na Youth League).
O Benfica continuava por cima e a rondar a baliza adversária. Tanto rondou que aos 59’ estabeleceu a vantagem no Benfica Campus: Ronaldo Camará recuperou a bola, passou para Gerson Sousa e este, à entrada da área, recebeu de pé direito, chutou de pé esquerdo, fazendo o esférico bater no poste, depois nas costas do guarda-redes Odoevski e entrar (autogolo). Estava feito o 1-0 com o decisivo contributo de Gerson, o trunfo que saiu do banco.
Benfica-Zenit
O treinador Luís Castro recorreu a dupla substituição aos 69’: Diogo Nascimento por Fábio Baptista e Paulo Bernardo por Ronaldo Camará.
Mais pressionante, com mais remates à baliza e mais posse de bola… era assim que o Benfica seguia no Seixal, num panorama idêntico ao da primeira parte.
Aos 88’, Gonçalo Loureiro esteve muito perto de aumentar a vantagem dos encarnados, com um cabeceamento que rasou o poste direito da baliza russa.
Já no tempo de compensação (90’+3’), Tiago Araújo teve nos pés mais uma oportunidade de dilatar o resultado, mas o guardião do Zenit impediu que isso acontecesse.
O Benfica fecha assim a fase de grupos da Youth League com um triunfo (1-0), no primeiro lugar do Grupo G com 15 pontos.
CLASSIFICAÇÃO DO GRUPO G
POSIÇÃO EQUIPAS PONTOS GOLOS
1.º Benfica 15 17-6
2.º Lyon 12 13-10
3.º Leipzig 4 5-10
4.º Zenit 1 7-16
Benfica-Zenit
Benfica-Zenit, 1-0
FICHA
Local Benfica Campus
Onze do Benfica Kokubo, Fábio Baptista (Diogo Nascimento, 69'), Gonçalo Loureiro, Morato, Rafael Rodrigues, Henrique Jocu, Francisco Saldanha, Ronaldo Camará (Paulo Bernardo, 69'), Jair Tavares (Gerson Sousa, 46'), Tiago Araújo e Henrique Araújo
Suplentes Samuel Soares, Alexandre Penetra, Adrian Bajrami, Diogo Nascimento, Paulo Bernardo, Gerson Sousa e Luís Lopes
Ao intervalo 0-0
Golos do Benfica Odoevski (autogolo)
DECLARAÇÕES
Luís Castro (treinador do Benfica): “Foi um jogo muito bem conseguido. A maior parte dos jogadores tinha poucos minutos, houve seis estreias a titular na Youth League, inclusive o Gerson, e isso só prova que o Benfica está a trabalhar coletivamente. Dominámos o jogo de início ao fim.”
Gerson Sousa (jogador do Benfica): “Entrei para ajudar a equipa. Ganhámos praticamente todos os jogos. O Benfica em tudo o que entra é para ganhar, e foi isso que fizemos.”