domingo, 24 de junho de 2018

BENFICA MAIS PERTO DO TÍTULO


FUTSAL
Novo dérbi marcado para quarta-feira (dia 27, às 21h00) na Luz. Pode haver Campeão…
O Benfica foi, este domingo, vencer o Sporting por 6-9 no terceiro jogo da final do play-off da Liga Sport Zone. Um resultado que permite aos encarnados ficarem em vantagem na eliminatória (2-1) e a um passo do título nacional.
Foi com um empate na eliminatória que Benfica e Sporting chegaram ao Pavilhão João Rocha (os verdes e brancos venceram o primeiro encontro, por 5-4, ao passo que os encarnados triunfaram no seguinte, por 3-2). Um sinal de equilíbrio que fazia antever mais um emocionante dérbi.
O Sporting cedo ameaçou a baliza de Cristiano e, depois da tentativa, o golo madrugador. Aos 6’, Divanei rematou para o 1-0. O Benfica restabeleceu a igualdade aos 10’, com Fernandinho a desviar o remate de André Coelho para a baliza dos leões, e, aos 17’, estava feita a reviravolta. Bruno Coelho atirou rasteiro para o lado direito da baliza de André Sousa, que não conseguiu intervir (1-2).
Aos 19’, a formação de Joel Rocha chegou à sexta falta, dando a oportunidade aos leões de igualarem o marcador. Livre direto para o Sporting e estava restabelecida a igualdade.Um empate a duas bolas com que as equipas recolheram ao balneário, depois de uma primeira parte em que o ambiente aqueceu.

No reatar (25’), Pedro Cary colocou o Sporting mais uma vez na frente do placard (3-2). Um golo que fazia adivinhar um segundo tempo cheio de emoções e incertezas até ao final…
E assim foi. Os comandados de Nuno Dias aumentaram a vantagem para três golos (5-2), mas o Benfica não baixou os braços numa clara demonstração de raça e muita ambição. Que jogo sensacional no Pavilhão João Rocha!
Chegou o 5-3 (Raúl Campos), o 5-4 (Raúl Campos), o 5-5 (Bruno Pinto) e até o 5-6 (Rafael Henmi). Quatro golos em quatro minutos recolocavam os encarnados em jogo…
Mas a partida estava longe de estar terminada. Cavinato fez o 6-6, 16 segundos depois do golo do Benfica, obrigando ao prolongamento.
Já na etapa complementar, golaço de Bruno Coelho, que com um chapéu perfeito, bateu o guardião leonino. 6-7!
Uma vantagem que o Sporting podia ter anulado a segundos do final da primeira parte do prolongamento. Cristiano cometeu falta sobre Cardinal à entrada da área, viu cartão amarelo e grande penalidade assinalada a favor dos leões. Cardinal foi chamado a converter, mas… ao poste!
Sem guarda-redes na baliza, Bruno Coelho afastou a bola para longe, que acabou no fundo da baliza do Sporting (6-8). Os leões pressionavam em busca dos três golos que precisavam, mas parecia muito difícil... e foi! Fernandinho encostou para o 6-9 final.
Benfica e Sporting voltam a encontrar-se na quarta-feira à noite (21h00), no Pavilhão da Luz, naquele que poderá ser o último dérbi da época. Em caso de triunfo, a formação de Joel Rocha – que está na frente da eliminatória (2-1) sagra-se campeã nacional. Em caso de vitória do plantel leonino, vai haver um quinto jogo.

BENFICA CONQUISTA TAÇA DE PORTUGAL DE HÓQUEI FEMININO


HÓQUEI EM PATINS
É o quarto troféu conquistado esta temporada, depois de Torneio de Abertura de Lisboa, Supertaça e Hexacampeonato Nacional.
O Benfica venceu, este domingo, por 7-3, o CH Carvalhos na final da Taça de Portugal de Hóquei em Patins feminino. Está feita a dobradinha (a quinta em cinco temporadas) e conquistado o quarto troféu de 2017/18.
No Pavilhão Carlos Bernardino, em Campo de Ourique, que foi palco da Final Four da competição, foi a formação do Norte que inaugurou o marcador, logo aos 2’.

Mas em apenas dois minutos estava feita a reviravolta. Rita Lopes empatou aos 10’ e Macarena Ramos, aos 11’, colocou o conjunto da Luz em vantagem (2-1).

O Benfica – uma equipa que tem impressionado pelo domínio avassalador e qualidade desportiva desde 2012 – ia controlando o jogo, perante um CH Carvalhos que se mostrava forte e perigoso no contra-ataque. E foi mesmo numa dessas situações que Joana Teixeira voltou a colocar um empate no marcador (2-2). Ainda antes do intervalo, Rita Lopes (18') e Maca Ramos (19’) aumentavam a vantagem com que as encarnadas saíam para o intervalo (4-2).



O segundo tempo abriu com um golo. Ao som dos cânticos dos Benfiquistas que preenchiam as bancadas do Pavilhão do CACO, Rita Lopes rematou para o terceiro da conta pessoal (5-2).
Pouco antes do final do encontro, Catarina Costa reduziu para o 5-3. Um golo insuficiente para impedir que as encarnadas – que foram gerindo o encontro até aos últimos minutos – marcassem ainda duas vezes (Marlene Sousa, aos 38', e Rute Lopes aos 39') e levantassem a quinta Taça de Portugal em cinco épocas de existência.
A temporada termina então como começou… com uma conquista. A formação fecha 2017/2018 com quatro troféus arrecadados (Torneio de Abertura de Lisboa, Supertaça, Campeonato Nacional – sexto título consecutivo) e ainda um importante segundo lugar na Taça Europeia.

TÍTULO DE JUVENIS DECIDE-SE NO CLÁSSICO


JUVENIS
Equipa comandada por Renato Paiva goleou o V. Guimarães por 2-9, tendo pela frente a decisão do título com o FC Porto, no próximo sábado.
A equipa de Juvenis do Benfica venceu, este domingo, o Vitória de Guimarães, por 2-9, na 9.ª e penúltima jornada da fase de apuramento de campeão do Campeonato Nacional da categoria.
O jogo estava marcado para as 11h00 de sábado no Campo Sande São Martinho, mas devido a irregularidades quer do tamanho das balizas quer do próprio terreno, o jogo foi adiado para as 18h00 do mesmo dia, no Estádio do FC Vizela.


As águias saíram para o intervalo a ganhar por 1-4. Os golos começaram cedo, com Tiago Araújo a inaugurar o marcador logo ao primeiro minuto de jogo, que não ficou contente e fez mais dois golos na primeira parte (13’ e 39’). Ronaldo Camará marcou aos 31’.
A segunda parte continuou a correr bem para o Benfica: Úmaro Embaló fez 1-5, aos 42’, seguido de golos de Jair (45’), Tiago Gouveia (72'), Hugo Nunes (79') e Nuno Cunha (81'), estabelecendo o resultado final da partida: 2-9 para o Benfica.
Os encarnados somam assim os mesmos 23 pontos que o FC Porto (que venceram o Belenenses por 4-1) com quem vão disputar o título de Campeão Nacional de Juvenis, no próximo sábado (dia 30 de junho), às 11h00, no Caixa Futebol Campus.
Renato Paiva alinhou com: João Monteiro, João Ferreira, Alexandre Penetra, Tomás Tavares, Sandro Cruz, Henrique Jocu, Jair Tavares, Nuno Cunha, Tiago Araújo, Ronaldo Camará e Úmaro Embaló.
CLASSIFICAÇÃO DOS JUVENIS
Lugar
Equipa
Pontos
Jogos
GM-GS
1.º
SL Benfica
23
9
34-8
2.º
FC Porto
23
9
19-6
3.º
SC Braga
11
9
10-16
4.º
Belenenses
8
9
4-16
5.º
V. Guimarães 
6
9
10-27
6.º
Sporting
5
9

13-19

PRIMEIRAS PÁGINAS


sábado, 23 de junho de 2018

O CONTRACICLO DE PEPE


Terão, porventura, reparado como este Mundial é exemplar no que diz respeito ao fim das guedelhas ao mais alto nível. Mais alto nível que o de um campeonato do mundo de futebol não há nem pode haver e o que também não há, porque deixou de haver, são cabelos compridos ou quaisquer espécies de melenas em campo. Desde que o futebol passou a ser uma indústria global tão avassaladora nos seus milhões, os futebolistas de elite, muitos deles ultra-milionários, descartaram automaticamente aquelas velhas irreverências de um passado não muito distante. O cabelo, hoje, quer-se curtinho. O futebolista que ambiciona o respeito ao público e que deseja impor o seu estatuto individual entre os companheiros deverá entregar o seu cabelo nas mãos de um barbeiro munido de máquina zero. Admite-se, como já se viu, uma sugestão de poupa como a do polaco Lewandowski, um traço minimal a verde a descolar da testa como o do nigeriano Troost-Ekong ou uma pequena coroa capilar em tons de louro como a do costa-riquenho Kandall Waston mas guedelhas compridas é que já não se aceitam, por amor de Deus. Cabelos curtos, sim, mas com um toque individual que exige sempre muito do barbeiro por mais do que óbvia falta de material. Penteia, cada um a seu gosto, o pouco pelo que houver para pentear e, assim, se afirma o carisma do futebolista moderno. Terá sido Cristiano Ronaldo a lançar a moda? É bem provável que sim.

O desalinho apenas aparente dos cabelos do brasileiro Marcelo e do egípcio Salah é a exceção permitida a indivíduos francamente especiais porque, ninguém duvide, requer grande descaramento mandar às malvas as convenções do momento e persistir num volume e, sobretudo, num despenteio que é todo ele uma proeza. Entre os nossos também não se registam devaneios neste capítulo. Bruno Alves esconde com elásticos todos os cabelos que tem a mais. Surpreendente apenas a decisão de Pepe, fabulosamente a contraciclo, que decidiu deixar crescer o cabelo quando os demais o decidiram cortar. Foi, portanto, com alguma melancolia que se assistiu ao afastamento do Perú tendo em conta que o seu treinador, o argentino Ricardo Gareca foi o único sujeito que se apresentou de cabeleira longamente escorrida nos palcos da Rússia mantendo-se fiel ao corte e ao estilo com que se estreou como jogador do Boca Juniors no já distante ano de 1978.
Que este relambório sirva – como se deseja – para fazer a vontade ao novo treinador do Sporting, o senhor Mihajlovic, que acha que as mulheres não devem falar de futebol. Ora isto não é futebol, é história das tendências na cultura popular no século XXI.
Leonor Pinhão, in Record

BENFICA É CAMPEÃO NACIONAL DA II DIVISÃO DE HÓQUEI EM PATINS


HÓQUEI EM PATINS
Um feito inédito na modalidade do Clube.
O Benfica sagrou-se, este sábado, Campeão Nacional da II Divisão de Hóquei em Patins masculino, após vencer o Riba D’Ave por 9-5. Um feito inédito na modalidade do Clube, com mérito acrescido por ter sido conquistado pela equipa de Sub-20.
No Pavilhão Fidelidade, primeiros 25 minutos bem disputados, com domínio do Benfica, perante a formação de Vila Nova de Famalicão que se manteve na luta nesta na segunda mão da final da fase de apuramento de campeão. Ao intervalo, o Benfica tinha uma vantagem de 4-1, mas o encontro estava longe de estar decidido…
De um lado um conjunto sustentado na juventude aliado à qualidade, do outro a experiência.

No segundo tempo, mais emoção. Os encarnados adiantaram-se no marcador e cedo dilataram a vantagem. Mas, quando se esperava que o Benfica gerisse uma vantagem de cinco golos (6-1), o adversário reentrou na partida e houve emoção até ao final.

A juventude acabou por mostrar maturidade e, após um triunfo por 9-5, a erguer o primeiro título de Hóquei em Patins da II Divisão.

HEXACAMPEÃS GARANTEM VAGA NA FINAL DA TAÇA DE PORTUGAL


HÓQUEI EM PATINS
Benfica venceu o Stuart Massamá e espera agora pelo resultado do encontro entre CACO e CH Carvalhos.
O Benfica venceu, este sábado, a Stuart Massamá por 2-5, assegurando a primeira vaga para a final da Taça de Portugal, que decorre no Pavilhão do CACO.
As Hexacampeãs Nacionais entraram muito fortes, mas, num contra-ataque, a Stuart Massamá acabou por inaugurar o marcador (1-0).

As encarnadas não se resignaram e, apesar das várias tentativas, o golo demorou a aparecer, perante um adversário que levou várias vezes perigo à baliza de Maria Vieira. Mas, ainda antes do intervalo, a reviravolta. Estava feito o 2-1, com dois golos de Marlene Sousa (10’ e 15’).
No segundo tempo só deu Benfica ao som dos cânticos de apoio dos adeptos. A formação da Luz chegou aos 38’ a vencer por 5-1, altura em que a Stuart reduziu para o 2-5 final.

Com este resultado, o Benfica carimba o passaporte para a final da Taça de Portugal onde irá defrontar o vencedor da partida entre CACO e CH Carvalhos. A final acontece domingo, às 17h00, no mesmo pavilhão.

PRIMEIRAS PÁGINAS


sexta-feira, 22 de junho de 2018

BEM-VINDO, LEMA!


FUTEBOL
“Um salto muito importante” na carreira do central argentino, que assinou pelo Benfica por cinco épocas.
Cristian Lema. É este o nome do mais recente reforço do Benfica para a temporada 2018/19. O central argentino, oriundo do Belgrano, assinou contrato válido por cinco épocas.
"Espero primeiro uma boa adaptação. Quero adaptar-me bem ao que é o Clube e ao que é o grupo para poder render da melhor maneira. Tenho muita vontade. Para mim, é um salto muito importante na minha carreira. Fiz uma boa época, num campeonato difícil e estava à espera de uma oportunidade como esta. Quando surgiu, tomei a decisão com a minha família, que ficou muito contente", afirmou o defesa de 28 anos (24.03.1990), em declarações à BTV.
Chegado a Lisboa na manhã de quinta-feira depois de uma viagem "tranquila", Lema cumpriu, no Hospital da Luz, a habitual bateria de testes físicos e exames médicos. Com a primeira etapa cumprida e com o contrato assinado, mostra-se "ansioso" por começar a trabalhar.
"Estou muito agradecido pela oportunidade. Tenho muito para dar e oxalá possa mostrá-lo juntamente com os meus companheiros, integrar-me e, juntos, conseguirmos atingir os objetivos do Clube", referiu.
Lema
"Foi uma decisão difícil pela parte familiar, mas pelo lado futebolístico sem dúvida que era a primeira opção. É um clube muito grande, é um salto muito importante na minha carreira. Estou muito contente e já a pensar no que fazer para ajudar o Clube", garantiu.
Ao serviço dos argentinos do Belgrano, Lema marcou oito golos e fez duas assistências em 25 jogos na época 2017/18. "Nas bolas paradas sinto-me com muita confiança e o mais bonito do futebol é marcar golos. Tive a possibilidade de marcar vários", lembrou o defesa argentino.
Lema
Para ele, "os objetivos do grupo estão sempre acima dos objetivos individuais". "Estou numa boa etapa da minha vida e quero aproveitar e desfrutar do que estou a viver, com seriedade e responsabilidade", destacou Lema.
Assinado o contrato, o ex-Belgrano foi conhecer o Museu Benfica - Cosme Damião e o Estádio da Luz, que ainda não viu cheio, mas conhece já a exigência dos Benfiquistas.
"É bom os adeptos serem exigentes e nós teremos de responder dentro de campo. Essa exigência é boa para que o jogador sinta que tem sempre de dar o máximo", finalizou.
Lema

O defesa-central nasceu em Puerto Madryn, na Argentina, a 24 de março de 1990. Deu os primeiros passos no futebol no Guillermo Brown, mas estreou-se na Superliga Argentina pelo Newell’s Old Boys. Reforça o Benfica depois de se ter transformado num ídolo no Belgrano.
Cristian Franco Lema, defesa-central de 28 anos (24.03.1990), é reforço do Benfica para a temporada 2018/19. Argentino, nascido em Puerto Madryn, começou a dar os primeiros passos no Guillermo Brown, clube da cidade natal onde fez toda a formação. Saiu já sénior para ingressar no Newell’s Old Boys.
Até chegar ao Belgrano – onde jogou entre 2014 e 2018 –, teve um trajeto sempre ascendente e com os pés assentes no chão.
O facto de ter perdido o pai muito novo, em 2012, e de pertencer a uma família tradicional e de profunda ligação ao sector da camionagem, fê-lo crescer precocemente e tornar-se um lutador, característica que lhe é apontada na Argentina.
Lema


TOTAIS DA CARREIRA DE LEMA
Jogos Golos Assistências
186 19 7
Sempre quis ser jogador de futebol, como admitiu numa entrevista ao diário de Córdoba "Dia a Dia": "Pedia uma bola aos meus pais em todos os Natais e aniversários." Para Lema, jogar futebol foi "o que sempre quis fazer". Podiam-lhe tirar tudo menos a bola.

Com apenas oito anos, o avô levou-o às escolinhas do Guillermo Brown para prestar provas. Convenceu e ficou – até 2009! Com 17 anos estreou-se na principal equipa do clube, mas faltava-lhe o sonho. Faltava a estreia na primeira divisão argentina.

Lema, central de uma estampa física impressionante, com 1,90 m de altura, estava longe de imaginar que com 20 anos ia alcançar o que ambicionava. O empresário Jorge Cyterszpiler viu Lema num jogo entre Guillermo Brown e Rivadavia de Lincoln, levou-o uma semana para treinos com outros jogadores livres e pouco tempo depois o central estreou-se na primeira divisão no Newell’s pela mão de Roberto Sensini, antigo internacional pela seleção das Pampas que, curiosamente, também treinou outro reforço do Benfica para esta época: Conti.
Começava a aventura
A estreia aconteceu em novembro de 2010 frente ao Godoy Cruz (0-0) na 13.ª jornada da Superliga Argentina.

Um jogo memorável e que mais tarde foi recordado pelo reforço do Benfica em entrevista.

"Comecei nos escalões mais baixos no Guillermo Brown de Puerto Madryn. Depois fui para o Newell's. Comecei nas reservas para ganhar o ritmo da AFA. A minha estreia foi com o Sensini na primeira divisão e acabei por ganhar o lugar", recordou Lema.

Lema
NÚMEROS DE LEMA POR CLUBE
Equipa Jogos Golos
Belgrano 123 16
Quilmes 40 2
Tigre 11 1
Newell’s Old Boys 12 -


Agora era preciso solidificar a posição no centro da defesa… Depois da formação de Rosário, onde atuou em 12 partidas, Lema representou o Tigre em 2011, emblema em que jogou 11 encontros.

Com 22 anos, o central transferiu-se para o Quilmes, equipa onde se assumiu como titular no eixo defensivo. Somou 40 jogos e mais de 3000 minutos disputados. Era hora de dar o salto.
Lema

Um exemplo de entrega e temperamento
Em 2014 chegou ao Belgrano e consolidou-se como um dos mais promissores defesas-centrais do futebol argentino, estreando-se, inclusive, nas competições internacionais (Copa Sul-Americana, em 2015).

Lema ainda não somou internacionalizações pelo seu país, mas tem colecionado elogios pelas suas exibições, nomeadamente após a época que findou recentemente, que foi a melhor da sua carreira, destacando-se também no apoio ao ataque com oito golos e duas assistências em 28 jogos pelo Belgrano em todas as competições.

Algumas das palavras elogiosas vieram de Pablo Lavallén, treinador do defesa no Belgrano. "Lema é daqueles jogadores que transmitem união à equipa através da sua entrega e temperamento", reconheceu.

Antes de 2017/18, nunca marcara mais do que três golos numa temporada. Apesar de ter "revelado" uma faceta mais ofensiva, Lema recordou que a sua prioridade "é sempre defender". "Estou aqui para isso", completou.
Lema com adepta do Belgrano

Ídolo no Belgrano
No Club Atlético Belgrano tornou-se ídolo para os "hinchas". Um dos casos mais paradigmáticos da paixão que os adeptos nutrem pelo defesa é o caso de Graciela Miranda.
A adepta do Belgrano é fã de Lema e tatuou mesmo o seu nome no braço como sinal de reconhecimento à qualidade e entrega sempre evidenciada pelo ídolo.

Os números ajudam a explicar por que razão os adeptos do Belgrano gostam tanto de Lema. Contabilizando os jogos na primeira divisão, estamos a falar do defesa mais goleador da história do Belgrano, com 16 tentos.

Fica a apenas um de Rubén Dionisio Coletti, defesa que apontou 17 golos em 323 jogos pelo clube de Córdoba entre a AFA e a Liga Cordobesa.
Fora de campo, a prioridade é a família
Adora futebol, mas tem outros motivos de alegria na sua vida. Lema tem mulher e uma filha, Victoria, com quem gosta de estar quando não se encontra dentro das quatro linhas.

"Fora do futebol sou uma pessoa tranquila. Gosto de estar com a família e desfrutar do tempo que passo com ela. Também gosto de passear", disse numa entrevista.

Depois de Conti, Lema é o segundo defesa-central que chega da Argentina para os encarnados em 2018/19. Curioso o facto de terem estado frente a frente na temporada transata, um em representação do Colón, outro pelo Belgrano.

A VERDADE DA MENTIRA


Contrariamente ao que tem sido dito e escrito sobre o legado de Bruno de Carvalho no Sporting, somos hoje confrontados com um epílogo que só quem não queria ver tornou possível este descalabro, já que toda a actuação de BdC foi premeditada, ao pormenor.
Desde a tese sensacionalista do milagre financeiro, até ao maquiavelismo da comunicação institucional, tudo em BdC foi orquestrado até ao mais ínfimo pormenor.
Pretendeu criar um áurea de messias salvador do Sporting, beneficiando duma conjuntura única, com um sétimo lugar na tabela do campeonato de futebol, e um conjunto de "notáveis", que sempre alimentaram o seu enorme ego à conta da sua participação na vida social do clube, a darem-lhe apoio incondicional, sem sequer se interrogarem onde a deriva populista e sensacionalista de BdC poderia conduzir o Clube.
Durante dois anos foi urdida uma estratégia de desgaste constante de todo um passado recente do Clube, onde em 30 anos somente conquistou dois títulos de campeão nacional, para criar os alicerces duma deriva populista perigosíssima, que lhe permitiu alimentar a esperança de, uma vez tomado o poder, a sua permanência passar a ser eterna, sendo necessário, para isso, criar inimigos e guerras permanentes, para alimentar os ódios e arregimentar as tropas para todas as batalhas.
Ao tomar o poder, recebeu da anterior direcção todas as pastas e dossiers, devidamente organizados, que lhe vieram facilitar toda a actuação e permitiram conduzir, com eficácia, diga-se, um primeiro mandato, pleno de mentiras e perseguições.
BdC assumiu a reestruturação financeira, já devidamente estruturada e montada, como sua, e levou alguns dos sócios a acreditar que estavam perante um magno das finanças com capacidades de gestão invulgares que iria conduzir o Clube aos sucessos económicos e desportivos tão desejados e prometidos ao longo dos últimos anos. Quem participou nela sabe perfeitamente que toda a reestruturação estava concluída, e foram preciso 5 anos para José Maria Riccicardi vir publicamente dar nota da mentira que BcD alimentou durante cinco anos.
Com o intuito de alimentar a mentira da eficácia, criou constantemente focos de conflito para desviar sistematicamente a atenção dos sócios da realidade do Clube.
FUTEBOL PROFISSIONAL
Afastou metodicamente do seu caminho, elementos que pensavam que iriam ter um papel fundamental na vida do Clube.
Augusto Inácio, José Eduardo e Virgílio tinham criado um "movimento" e falavam em surdina que BdC não percebi nada de futebol e iriam ser eles a liderarem o futebol profissional do Clube, mais concretamente as negociações das transferências de jogadores.
Rapidamente BdC afastou os dois primeiros e remeteu Vergílio para um lugar menor na Academia. Afastou agentes internacionais para promover um conjunto de agentes e intermediários de jogadores de futebol, completamente desconhecidos, que lhe permitiram realizar negócios e transferências de jogadores, que se encontram hoje em investigação, e cujo destino das comissões das transferências são cada vez mais questionados quanto aos seus destinatários finais.
Correm um conjunto de processos de investigação ao destino final das comissões, e apesar da complexidade dessas investigações, que envolvem invariavelmente movimentações bancárias para contas no estrangeiros, regra geral de empresas offshore, é cada vez mais sólida a convicção de que provavelmente será este um dos principais motivos que mantêm BdC agarrado ao poder em Alvalade.
Alimentou uma mentira da recuperação dos passes dos jogadores para o Clube, quando a sua única intenção foi eliminar, de vez, possíveis focos de conflito e de interesses com agentes credenciados, que seguramente não iriam permitir a BdC utilizar esquemas fraudulentos para dividir comissões de intermediação.
A verdade da mentira fala por si:
128 jogadores negociados em 5 anos, com os nomes de João Gonçalves, empresário de Augusto Inácio envolvido nas escutas dos subornos do andebol e do futebol, João Carlos Pinheiro e Costa Aguiar, entre outros de duvidosa proveniência, a surgirem sistematicamente envolvidos em negociações de transferências de jogadores, que começaram a criar um clima insuportável na gestão do plantel profissional de futebol.
Adrian, William Carvalho e Rui Patrício são só a face mais visível desta mentira da gestão desportiva de BdC.
Os conflitos com Jorge Mendes a ponta do iceberg, que tem transformado a Academia de Alcochete num verdadeiro antro de promiscuidades várias, onde a permanência de agentes desportivos autorizados por BdC têm vindo a criar um clima de permanente conflitualidade, que culminou com os acontecimentos de terror, do assalto e das agressões, que são determinantes para revelar a mentira de BdC, e colocar definitivamente a nu a verdade da gestão desportiva dos seus mandatos.
Nunca se viveu um clima de tanta mentira e isto é o maior pesadelo da nossa História. Não se trata de divergências ideológicas, de prioridades, de opções, de visões, de competências, de formas de ver o Clube, de modelos de gestão, entre sócios, pois isto é um sequestro.
O Sporting foi sequestrado por um tirano, um déspota, um louco, que tem os seus lacaios sob rédea curta, pagos, amordaçamos, comprometidos, envolvidos, numa teia de cumplicidades, no lodo, apostado numa narrativa com mais de meia década que intoxica descontentes, desinformados e impreparados, criando uma seita de acéfalos que não lê, não questiona, não duvida, e com os recursos do Sporting, ameaça, persegue sócios, atletas, quem de si discorda, fomenta o divisionismo, destrói valor, ultrapassa todos os limites da decência, da ética, da moral.
Não vale tudo. Na vida não vale tudo. E se somos diferentes, que sejamos diferentes, pois LIBERTAR o Sporting de BdC, disto, deste lamaçal, deste ar irrespirável, deixou de ser uma opção... é um imperativo moral, é um dever cívico.
Autor: José Pedro Rodrigues