sábado, 29 de junho de 2019

OH, QUE RAIO, ATÉ O "HACKER" LHES CORREU MAL


Contou-nos este jornal a meio da semana que o Sporting teme ver um seu jogador de 18 anos, Félix Correia, passar-se para o Benfica. O jovem em causa não terá ainda chegado a acordo para a renovação do seu contrato e pode assinar pelo rival, trocando Alcochete pelo Seixal. Os acontecimentos dos últimos anos, no que diz respeito às saídas para o estrangeiro de jogadores formados pelo Benfica, devem ter o seu impacto em todos os aprendizes de futebolistas do país. O sonho, para todos eles, é jogar lá fora, envergando a camisola de um qualquer gigante europeu em termos de historial  e de poderio de orçamento. ou não é?
Do Manchester City ao Bayern de Munique, da Juventus ao Atlético de Madrid, do Manchester United ao renascido Ajax, não faltam nomes de grandes clubes que têm vindo pescar à formação do Benfica e com os seus anzóis dourados. Mais do que os hipotéticos vencimentos "pornográficos" - alegados como desculpa para a deserção do "Viriato de Ouro" do FC Porto para o Benfica -, o que incendiará a ambição de qualquer jovem futebolista tentado pelo Seixal será sempre a hipótese de, um dia, pôr-se na alheta, rumando a um daqueles clubes monstros que lutam todos os anos pela Liga dos Campeões. Félix Correia, o jovem futebolista do Sporting que parece estar inclinado a assinar pelo Benfica, não escapará a esta realidade. Para o Sporting seria um contratempo. Para o Benfica seria apenas fazer chegar outro Félix, na esperança de que aquele apelido, só por si, voltasse a dar resultados. E isto é que é sonhar alto. Lê-se esta semana na revista "Sábado" que "mais do que atacar clubes de futebol e empresários de jogadores, Rui Pinto é agora suspeito de piratear o Estado Português". A Policia Judiciária e o Ministério Público terão encontrado indícios de que o "hacker" entrou nos emails do antigo diretor do DCIAP, Amadeu Guerra, e da ex-procuradora - geral distrital de Lisboa, Maria José Morgado. Se, no nome honrado do combate ao crime, foi aprovada por muita boa gente a atividade e a legitimidade de Rui Pinto no assalto aos dados dos clubes, empresários e dirigentes, como justificar agora esta intrusão na correspondência eletrónica de Guerra e Morgado? serão estas duas últimas vítimas do "hacker" Pinto gente que merece ser espiolhada à má-fila com o beneplácido de umas quantas organizações bem pensantes e sedentas de justiça? Oh, que raio, até o "hacker" lhes correu mal. 
Não custou nada a António Salvador manter Abel Ferreira no posto de treinador do Sporting de Braga. "Não suscitou dúvidas nenhumas, foi fácil", disse o  presidente do clube. Abel Ferreira não ganhou nenhum título referente à época de 2018/19, é verdade. Mas também nunca foi líder do campeonato com sete pontos de avanço sobre o 2º classificado. Deve ter sido facílimo para Salvador decidir como decidiu.

Leonor Pinhão, in Record

PROPAGANDISTAS


"No relatório e contas do SLB relativo a 1954, página 16, há uma pequena secção dedicada à aquisição de um autocarro – o primeiro do Benfica. Comprado ao popularíssimo actor Francisco Igrejas Caeiro, o avultado investimento permitiria poupar nos crescentes custos de deslocação das equipas e proporcionar maior conforto e segurança aos atletas. Igrejas Caeiro havia adquirido o autocarro meses antes por cerca de 1100 contos. Vendeu-o por 450 e mereceu, conforme se pode ler no relatório, o seguinte tratamento por parte do Benfica: “O nosso querido amigo e prestigioso consócio”.
Acontece que Igrejas Caeiro, não obstante o seu reconhecido benfiquismo, se viu obrigado a vender o autocarro que adquirira para a sua companhia. Instado a nomear o maior estadista da sua geração numa entrevista ao jornal “Norte Desportivo”, referiu o indiano Nehru, o que foi considerado subversivo e lhe valeu, por decreto governamental, o impedimento de actuar publicamente. Sem poder trabalhar, o autocarro deixou de ter qualquer utilidade para Caeiro. À necessidade benfiquista, juntou-se a oportunidade de ajudar quem se viu privado do seu sustento.
Este é mais um excelente exemplo dos muitos que contrariam os revisionistas que acusam o Benfica de ter sido o clube do regime. Para o Benfica, Igrejas Caeiro continuou a ser, apesar de proscrito pelo Estado Novo, “querido amigo e prestigioso consócio”.
Mas verdade seja dita, esses propagandistas já nem entre os seus têm qualquer credibilidade. Veja-se a sondagem da Aximage sobre a justiça da decisão dos tribunais em punirem o FC Porto no chamado “caso dos emails”. São mais, entre portistas e sportinguistas, os que não discordam da decisão..."

João Tomaz, in O Benfica

SORTEIO DO CALENDÁRIO: IMPERDÍVEL


"Falta uma semana para o sorteio do calendário da Liga 2019/2020 (5 de Junho) e eu sou incapaz de esconder a ansiedade. Com quem jogará o Benfica na primeira jornada? E na última? E na oitava?
Quando será o clássico com o FCP? E o dérbi com o SCP? E o embate com o Paços de Ferreira? Pois é, todos os jogos são importantes e gosto de saber em que momento da temporada se realiza cada um deles. Pertenço ao grupo de adeptos que no espaço de dois minutos decora de trás para a frente os duelos do Benfica nas 34 rondas. Trata-se de um raro distúrbio chamado anxietatem gloriosum, embora não haja (ainda) qualquer registo clínico deste transtorno. Sim, a medicina ainda tem muito para evoluir.
Tenho por hábito projectar os mais diversos cenários jogo a jogo, mas admito que as previsões costumam sair ao lado. Nas minhas contas, o Benfica chega sempre ao fim com 34 vitórias, registo que estranhamente não se tem verificado. Porém, de vez em quando lá vou acertando. Na temporada passada, numa dessas premonições ou imaginava o Benfica a vencer os jogos todos por 10-0, pelo que ainda acertei num resultado.
Ainda há uma semana pela frente até ao sorteio, contudo a espera não será muito dolorosa: o arranque da pré-época do Benfica está agendado já para a próxima segunda-feira. Nos primeiros dias não haverá bola, porque os jogadores têm de se sujeitar primeiro a vários exames médicos e testes físicos, prática comum após este alongado período de descanso. Mas posso esperar. Quem leva a melhor na velocidade? Quem consegue fazer mais agachamentos? Quem fica mais sóbrio depois de deitar abaixo dez latas de Sagres? Enfim, os exercícios necessários para que em Maio se possa celebrar o 38."

Pedro Soares, in O Benfica

PRIMEIRAS PÁGINAS


sexta-feira, 28 de junho de 2019

CONTRATAR POUCO E BEM


"Benfica só poderá ficar no ponto que os adeptos e administração querem com entradas de igual ou superior qualidade dos que saíram

aparente tranquilidade do mercado do Sporting e a alguma incapacidade envolta na bruma do mercado do FC Porto não podem fazer acreditar em qualquer facilidade para a época que agora começa. Vamos ter adversários fortes e temos que ter um Benfica fortíssimo. Sérgio Conceição tem qualidade bastante para com poucos ovos (e vai ter muitos) fazer omeletas interessantes e, por isso, haverá seguramente adversários de respeito.
Um Benfica que vendeu João Félix, deixou sair Fejsa e viu acabar Jonas é seguramente um Benfica menos mágico e menos forte. Ainda se fala de algumas possíveis saídas, empréstimos e cedências, todas por confirmar. Aguardar é a única solução.
A ideia de que qualquer Manel pode substituir os génios que saem é oriunda da estupidez ou da vontade de perder. Com as saídas (mesmo que todas bem justificadas e justificáveis), o Benfica ficou mais fraco e só com entradas de igual ou superior qualidade poderá ficar no ponto de que os adeptos e administração querem.
Agora que findou (ou abrandou) a época dos rumores, acredito que chegou a hora dos vencedores. O presidente do Benfica já repetiu que se iria comprar pouco e mais bem. Não posso estar mais de acordo. Esse é caminho, este é o caminho.
Se saiu Félix, o Viriato, aguardamos pela chegada do 'Sertório' porque em Reino Lusitano sem rumo e sem luta não ficaremos. No mundo moderno do futebol, o dinheiro deixou de ter valor e, por isso, ninguém dá valor ao dinheiro. Está na CMVM e são 126 milhões. Os incrédulos, pelos menos os que sabem ler, poderão analisar os balanços e as contas, embora suspeite que nem a contar notas à boca do cofre se convenciam. Esta é a frase do Benfica usar de indulgência com os comentários e muito competência nas aquisições.
Na próxima semana começam os treinos, a preparação de uma nova época, entre dia 1 e dia 5. Era bom que chegassem a quase totalidade daqueles que vão ser os nossos recursos. Interessa-me é ver o plantel fechado (ou perto disso) e a bola a rolar. Bruno Lage e a administração serão quem escolhe, selecciona e determina quem fica e quem sai. No Benfica a responsabilidade não morre sozinha porque a competência também não."

Sílvio Cervan, in A Bola

UM AZAR DO KRALJ


O apelo de (...): querem ganhar o defeso? Gastem uns milhões no passe da Matilde
"Os jornais, os programas de comentário desportivo, os grupos de Whatsapp, o Twitter e a taberna rejubilam com o tema que faltava. Esta manhã seguia na direcção do café a tropecei numa pedra. Saiu de lá um especialista em factoring, um analista financeiro e um alcoólico que não conseguiria contar até 126. Todos juntos reuniram-se à volta de um pão de deus com fiambre, uma meia de leite morna, um café pingado e um moscatel, respectivamente, para elaborarem as mais diversas teorias sobre como é que o Benfica irá receber o dinheiro, se irá receber, o que fazer com este autêntico Euromilhões.
Há teorias para todos os gostos e quantificações de toda a espécie. Eu não percebo bem o que fazer a esta fortuna. O meu pessimismo diz-me que devíamos guardar a maioria para um dia chuvoso. O optimista fala em gastar tudo em reforços. O desiludido não se contenta com a comissão de 10%, por ele o Benfica ainda acaba a pagar a Jorge Mendes. O humorista com a tabuada decorada pergunta quantos daqueles reforços-que-não-são-bem-reforços poderemos nós adquirir para depois colocar a rodar por esse mundo fora. Rapidamente se chega a um consenso na taberna: vamos avançar para a compra de 40 Cádiz.
Sinto-me no mesmo espírito dessa discussão, mas com uma preocupação diferente. Surgiu assim que ouvi falar da Matilde, uma bebé de dois meses. É aqui que o assunto se torna sério. A Matilde é um bebé muito especial. Sofre de um problema de saúde chamado atrofia muscular espinhal de tipo I que ameaça a sua vida a uma velocidade assustadoramente galopante. Existe uma terapêutica que poderá salvar a Matilde. Custa cerca de 2 milhões de euros. A sua história apareceu um pouco por todo o lado nos media portugueses, bem como numa página de Facebook criada pelos pais, cujas publicações me deixaram com um nó na garganta, a mim e de certeza a muitos milhares de portugueses que não têm meios para, sozinhos, salvar a Matilde. Os donativos têm chegado tão depressa quanto é permitido aos portugueses, ou seja, muito depressa. É uma gente como poucas. Infelizmente, o objectivo a alcançar ainda está distante. Ontem a conta bancária criada para receber os donativos destinados a ajudar a Matilde tinha cerca de 395 mil euros.
Vai daí eu lembrei-me de uma engenharia financeira muito simples, uma daquelas de que nos lembramos sempre que nos imaginamos a tropeçar numa quantia de dinheiro obscena. Nunca sabemos bem por onde começar e damos por nós a gastar dinheiro em coisas inúteis. É provável que boa parte deste dinheiro acabe a ser utilizada em cruzamentos que saem pela linha lateral, remates para a bancada, ou empréstimos intermináveis ao Famalicão. Portanto, a minha ideia é muito mais simples: o Benfica chega-se à frente e gasta uns milhões no passe da Matilde. É agora que ela precisa de ajuda. Não sabemos quanto mais tempo ela tem. A seguir pode fazer o factoring que bem entender, a engenharia financeira que lhe aprouver, organizar jogos que reúnam a receita necessária para cobrir essa despesa. Mas a despesa, a acontecer, tem de ser feita agora.
Quem diz o Benfica diz todos os outros clubes, a federação, a liga, etc. Aquilo que sugiro está a uma ordem bancária de distância dos maiores clubes de futebol portugueses. Foi deles que eu me lembrei porque, pois bem, não se fala de outra coisa neste país. Assim sendo, que os programas de comentário desportivo e as redes sociais sejam inundadas com este repto. Depois logo se vê como será apresentado no relatório e contas. Que se danem os direitos desportivos. Esqueçam qualquer percentagem do passe da Matilde. Se tudo correr bem, a dívida dos pais será eterna e nós não quereremos aceitar um centavo de volta.
O futebol português passa tanto tempo na lama que às vezes se esquece da muita felicidade que nos pode trazer. Pois bem, está aqui uma baliza escancarada. Pediram-me um texto sobre o defeso e esta foi a única coisa que me ocorreu. Garantir a renovação da Matilde por muitas décadas. Não me custa nada tentar. E, sim, isto não tem nada a ver com futebol. Pois não. É muito mais importante. Se é demagógico? Que seja. Quero lá saber. Vale muito menos do que um Cádiz, mas valeria muito mais a pena. Se nada disto persuadir uma alminha que seja, cá estarão os outros portugueses todos para ajudar: PT50 0035 0685 00008068 130 56. Espero que a ajuda chegue a tempo."
Um Azar do Kralj, in Tribuna Expresso

FIM DE ÉPOCA COM FUTURO



"A época futebolística termina, há já muitos anos, com um torneio interassociações sub-14, o conhecido Lopes da Silva. Um momento de festa, mas também uma oportunidade para observar as 22 selecções distritais. Estes jovens são, todos os anos, a base da primeira selecção nacional sub-15 masculina da temporada seguinte. Os treinadores precisam destas observações para conhecerem, confirmarem e decidirem sobre a composição das suas equipas, sejam nacionais ou de clube. Esta altura, designado como defeso, tem uma importância decisiva no sucesso das equipas, sendo essa importância proporcional ao nível da competição em que estão integrados, com destaque para as competições profissionais.
Como neste intervalo não há jogos, portanto não há vitórias e derrotas, digamos que todos estão empatados, a tolerância dos agentes desportivos é significativamente maior do que durante a competição. Contudo, as decisões agora tomadas vão ser de importância fundamental para cumprir os objectivos da época. O planeamento para nesta altura se tomarem as melhores decisões começou muitos meses antes. Prever o que se pode passar no defeso, as alterações que a equipa para sofrer, ajuda a encontrar soluções antes dos concorrentes. Esta é uma das maiores dificuldades de quem gere uma estrutura de desporto profissional, para mais em jogos colectivos. Não há sucesso exclusivamente com bons jogadores, é necessário uma excelente equipa.
Construir uma equipa, que necessita de bons jogadores, de excelentes profissionais e de melhores pessoas, implica estabelecer uma tela de relações que reaja à adversidade de forma uniforme, mesmo que as análises não sejam coincidentes. O interesse colectivo terá que ser sempre maior do que o individual. O torneio Lopes da Silva inicia o processo para se atingir o degrau mais alto: saber trabalhar como equipa."

José Couceiro, in A Bola

BELENENSES TEM O QUE NÃO SE COMPRA


"O Clube de Futebol Os Belenenses, escudado em sentença judicial, fez um ultimato à Liga de Clubes, no sentido da proibição da utilização da sua marca por entidades terceiras. Ou seja, para simplificar, o Belenenses, com o apoio de duas sentenças, uma do Tribunal de Propriedades Intelectual, e outra do Tribunal da Relação, não quer uma equipa chamada Belenenses, SAD a participar na Liga. Poderá, quanto muito, ser BSAD, de acordo com o registo vigente.
Numa coisa o Belenenses tem razão: a Liga de Clubes não pode continuar a assobiar para o lado como se nada tivesse, entretanto, acontecido.
Este caso, que mostra como foi pouco cuidadosa e avisada a chamada Lei das SAD, irá conhecer novo agravamento quando o Belenenses alienar os dez por centro que ainda tem da SAD. Logo que isso aconteça, haverá uma equipa a disputar o principal escalão do futebol português sem vínculo físico (abandonou o Restelo), material (o Belenenses não é accionista), ou imaterial (não pode usar a marca, ou seja, nome, símbolo e lema) ao clube de onde derivou.
Quem olhar para esta situação, independentemente do lado da barricada que ocupar, ou mesmo se estiver numa posição de neutralidade, não pode deixar de sentir um profundo desencanto. À beira de celebrar o centenário, vale ao Clube de Futebol Os Belenenses uma implantação social que, ao contrário das acções da SAD, não se compra, e que lhe permitiu reinventar-se, apostando nas modalidades e no futebol de formação, como elementos aglutinadores de sócios e adeptos nestes anos de travessia do deserto. O Belenenses é um grande clube."

José Manuel Delgado, in A Bola

E MAIS TÍTULOS...


"Com as nossas principais equipas já a gozarem umas merecidas férias, continuam em competição as jovens promessas.
O Atletismo e o Futsal são dois bons exemplos do trabalho de excelência que o Sport Lisboa e Benfica tem vindo a realizar, esta década, na formação. Quando falamos desta área tão importante e complexa, tendemos a focar-nos apenas no Caixa Futebol Campus. Uma tendência natural e legítima, mas enganadora. O SL Benfica de hoje é todo ele uma academia gigante de formação.
No Atletismo, as nossas equipas de Sub-23 dominaram os Campeonatos Nacionais ao ar livre. A conquista de dois títulos são coroar de uma política com cabeça, tronco e membros. O feito da equipa masculina é notável - 11.ª título consecutivo. Quanto à equipa feminina, a reconquista chegou esta época. Com a particularidade destas Esperanças serem na grande maioria juniores. A visão e a competência da prof.ª Ana Oliveira são conhecidas, mas ter a capacidade de refazer equipas em anos consecutivas não é para todos.
No Futsal, a nossa hegemonia é uma evidência - conquistámos os dois campeonatos nos seniores e nos juniores a nossa equipa feminina sagrou-se bicampeã. Mas os êxitos não se ficaram por aqui, pois os Juvenis masculinos conseguiram, pela primeira vez, conquistar o título. Estes feitos reforçam a nossa política desportiva como a mais ajustada nos dias que correm
.O SL Benfica é um modelo a todos os níveis. Olhemos para os 17 atletas que formam a nossa equipa olímpica, em Minsk, onde estão a dar cartas nos Jogos Europeus. Um país e um clube que têm atletas como Telma Monteiro, Fernando Pimenta, João Ribeiro, Teresa Portela, Joana Vasconcelos, Bábara Timo, Rochele Nunes, Ricardo Santos, João Coelho e Rivinilda Mentai arrisca-se a conquistar medalhas. Na próxima semana, prometo analisar a notável performance da nossa equipa de futebol feminino."

Pedro Guerra, in O Benfica