quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

MAIS UM AMASSO NAS LAGARTAS



 Mais uma prova de enorme superioridade!

Com grande categoria e festival ofensivo, o Benfica levou a melhor sobre o Sporting (4-1), em jogo da 1.ª mão da meia-final da Taça da Liga.
Após a goleada no dérbi com o Sporting (5-0) referente aos quartos de final da Taça de Portugal, no sábado, 21 de janeiro, a equipa feminina de futebol do Benfica voltou a derrotar as leoas por um resultado expressivo (4-1), que deixa a final da Taça da Liga mais próxima.
Na noite desta quarta-feira, 25 de janeiro, numa partida realizada no Campo n.º 1 do Benfica Campus, as bicampeãs nacionais não deram hipóteses ao eterno rival na 1.ª mão da semifinal da Taça da Liga.
Filipa Patão repetiu o onze apresentado no Estádio da Luz e, no primeiro minuto, Cloé Lacasse e Pauleta deram o mote para mais uma grande exibição.
Pressionante e aguerrida, a equipa encarnada carregou no acelerador, disposta a resolver a partida. Com segurança defensiva e um ataque inspirado, o Benfica deu mostras de enorme qualidade.
Com o Presidente Rui Costa entre os espectadores do dérbi, bem como a nova contratação, Anna Gasper, Cloé Lacasse deu início ao triunfo.




A internacional canadiana foi um autêntico quebra-cabeças para Ana Borges, ultrapassada em velocidade amiúde, e foi na sequência de uma arrancada da camisola 20 pela esquerda que nasceu o 1-0. A passe de Catarina Amado, Cloé só teve de encostar para o fundo da baliza leonina (16').
O Benfica esteve compacto e, sem permitir ataques perigosos às leoas, a primeira metade fechou com o segundo golo (2-0), num momento em que a categoria de Francisca Nazareth, Jéssica Silva e Cloé foi evidente. A finalização pertenceu à internacional canadiana (42').
A vencer por 2-0 ao intervalo, resultado que até poderia ser mais expressivo em face das ocasiões criadas, foi contra a corrente da partida que o Sporting reduziu. Numa transição atacante, com fortuna à mistura, pois a bola ressaltou em Lúcia Alves, Chandra Davidson marcou (55') para a equipa de Mariana Cabral, que não esteve no banco, em virtude da expulsão no dérbi da Luz.
O Benfica não abanou. Pelo contrário, manteve a toada. Aos 69', numa recuperação de bola e grande abertura de Pauleta, sempre com um trabalho incansável no meio-campo, Jéssica Silva progrediu e rematou para o 3-1.
Reduzido a 10 unidades por expulsão de Fátima Dutra (72'), o Sporting sofreu mais um golo (4-1), por intermédio de Francisca Nazareth. Cloé ganhou a bola a Alícia Correia e assistiu a jovem internacional lusa, que faturou com o pé direito (77').
Resultado dilatado e percurso irrepreensível do Benfica em todas as provas nacionais, até ao momento!
A 2.ª mão, que decidirá a passagem à final, será realizada a 8 de fevereiro, às 20h00, no Estádio Aurélio Pereira.
Antes disso, já no domingo, 29 de janeiro, as campeãs nacionais defrontam o Marítimo fora de casa, na 12.ª jornada da Liga BPI. O embate está agendado para as 16h00.
DECLARAÇÕES
Filipa Patão (treinadora do Benfica): "O Sporting teve uma abordagem diferente ao jogo, tentou subir as linhas de pressão e não se expor tanto na sua saída de jogo, procurou sempre referências mais longe. Conseguiram em alguns momentos criar problemas, mas ajustámos e conseguimos ter calma. Apareceram os golos, dilatámos a vantagem. Sofremos um golo, mas a equipa reagiu bem. As jogadoras estiveram muito bem. O Sporting individualmente tem jogadoras com qualidade, o Benfica está com um ritmo muito bom e a passar um excelente momento."
Pauleta (capitã do Benfica): "Foi um jogo diferente [face ao dérbi disputado no Estádio da Luz]. Não há dois jogos iguais no futebol e o Sporting é um grande adversário, com grande qualidade. Sabíamos que algumas coisas iam mudar, porque o último jogo não correu bem ao adversário. A nossa equipa conseguiu ajustar-se, leu bem os momentos do jogo e isso levou-nos à vitória. Jogámos bem e com qualidade. A 2.ª mão vai ser muito difícil. Podemos sofrer um ou dois golos e correr mal para nós. Queremos manter o foco. Queremos vencer todas as competições, falta a fase das decisões, mas o passado não ganha jogos. Teremos de estar focadas na 2.ª mão."
Cloé Lacasse (avançada do Benfica): "Fomos a melhor equipa. Depois de uma fantástica vitória no Estádio da Luz, estávamos preparadas para mais um jogo. Fizemos uma grande primeira parte, queríamos vencer por vários golos e agora teremos a 2.ª mão, mas temos uma boa vantagem. A eliminatória não está fechada, mas estamos felizes."

O LEÃO BATEU O PÉ E AS LEONAS FORAM AMASSADAS, MAS ESSAS NEM APARECEM NO PAPEL HIGIÉNICO DOS ESCRIBAS


 

DISCIPLINA E DISCIPLINADORES

 


"1. O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol multou o Benfica por comportamento incorreto do público no dérbi. Os festivais de pirotecnia custaram ao nosso clube 9560 euros. Outros comportamentos incorretos, como o arremesso de um frasco e insultos ao guarda-redes adversário e ao árbitro, custaram ao Benfica 1124 euros. É dinheiro.


2. Dividindo estes 1124 euros, com o maior espirito democrático, pelas três prevaricações apontadas, concluímos que o arremesso do frasco saiu a 374 euros, aplicando-se o mesmo custo aos insultos ao guarda-redes do Sporting e ainda o mesmo custo, os tais 374 euros, aos insultos ao juiz da partida. São as regras do CD da FPF. O futebol tem os seus regulamentos.

3. As regras do TAD, no entanto, continuam por conhecer em matéria de insultos aos árbitros quando proferidos por um juiz da casa. Nas vésperas do dérbi, um juiz do Tribunal Arbitral do Desporto, um ex-candidato à presidência do Sporting, afirmou que não valia a pena fazer prognósticos porque a 'ladroagem dos árbitros' já tinha entregado o campeonato ao Benfica. Desconhecem-se ainda hoje as consequências penais, e outras, destes insultos à classe da arbitragem proferidos por um juiz - um juiz, repita-se - do Tribunal Arbitral do Desporto. E que, pelos vistos, ainda continua em funções.

4. A presidente do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol apresentou-se em tribunal com as provas de que não era, nem foi, 'assalariada do Benfica' - provas mais fáceis de encontrar não se imaginam -, e o ex-candidato à presidência do FC Porto que lhe chamou isso mesmo, 'assalariada do Benfica', foi condenado por um juiz a um pedido de desculpas públicas à presidência do CD.

5. E ainda ao pagamento de uma indemnização de que não revelado o montante. È pena, porque, sabendo-se o valor da indemnização, saberíamos o preço da revolta que atingiu a presidente do CD da FPF por lhe terem chamado 'assalariada do Benfica'. Curiosidades.

6. O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol instaurou um processo disciplinar à SAD do Sport Lisboa e Benfica alguns dias depois de o Benfica ter tido conhecimento de que a sua SAD fora constituída arguida num processo de natureza aparentemente imortal.

7. Será que o segredo de justiça, que veda o Benfica o conhecimento dos factos que lhe são imputados, abrirá uma exceção para fornecer ao CD da FPF esses mesmo factos? É que, de outra maneira, ninguém sabe, nem o próprio CD, sobre que matéria se inclinar."

Leonor Pinhão, in O Benfica

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

VAMOS EM FRENTE!



 "Haverá som mais horrível que o urro que se segue a um golo do Sporting ou do Porto no estádio da Luz? Existirá, no futebol, imagem mais perturbadora do que uma horda de sportinguistas ou portistas a celebrarem no nosso estádio, fazendo lembrar o lado mais sinistro do famoso tríptico de Bosch, O Jardim das Delícias Terrenas? Julgo que não e só um triunfo remete rapidamente para o esquecimento a carga perturbadora desses eventos. Não foi o caso no sábado.

Mas, aparte essa faceta simbólica e emocional da rivalidade desportiva, o jogo pode ser resumido às incidências que resultaram no empate. Com a distância que o Sporting tem do Benfica, o desfecho acaba por ser irrelevante nesta luta particular. Portanto, na prática, perdemos dois pontos, tanto faz que tenha sido com o Sporting ou com outro qualquer.
Assim, o que realmente importa é que, à entrada da última jornada da primeira volta, temos quatro pontos de avanço sobre o Braga e cinco sobre o Porto, recebendo ambos na luz no segundo turno. É uma posição privilegiada na luta pelo título. Nada garante, é certo, mas coloca-nos mais próximos do que os nossos adversários. E premeia a equipa mais consistente nas primeiras 16 jornadas.
O jogo com o Sporting teve tudo para que sofrêssemos uma derrota. Demorámos a entrar na partida, falhámos boas oportunidades até que, já contra a corrente do jogo, o Sporting adiantou-se no marcador. Daí até final quase só deu Benfica, com, pelo meio, boas ocasiões desperdiçadas pela nossa equipa e um penálti para o Sporting a pedido de Tiago Martins, o da rábula da moeda (quem sabe de plutónio ou qualquer coisa assim), menos solícito, como seria de esperar, num lance pra grande penalidade sobre Rafa.
O Benfica demonstrou raça, querer, ambição e qualidade já mais próxima daquela patenteada nos momentos altos da época. Repita-se a dose em todos os restantes jogos e não tenho a menor dúvida de que ganharemos a esmagadora maioria deles.
E ao olharmos para a classificação lembremo-nos do que muitos pensaram após a derrota em Braga, só demorando uma semana para que tenhamos assistido a uma inversão de contexto. Nenhum dos nossos adversários apresentou, até hoje, nível exibicional e consistência para que se vislumbre, da parte deles, muitas vitórias consecutivas.
Continuemos focados e empenhados, a fazer de cada jogo uma final. Estamos na luta!"

João Tomaz, in O Benfica

BURLA EM ITÁLIA, CRIATIVIDADE FINANCEIRA EM PORTUGAL

 


"A Federação Italiana decidiu retirar 15 pontos à Juventus devido a esquemas com contratos e transferências de jogadores por valores fictícios. Recorde-se que o FC Porto tem aplicado exatamente as mesmas metodologias em alguns dos seus negócios com o V. Guimarães e Sporting e em contratos como o de Otávio, deturpando os valores constados nos Relatórios e Contas e mascarando as exigências impostas pelo fair-play financeiro da UEFA.
Vejamos, por isso, o que fez o FC Porto nos últimos anos e comparemos com a Juventus:
1. João Mendes, Francisco Ribeiro, Rafael Pereira e Romain Correia. Estes nomes podem não dizer muito à maioria das pessoas, mas, juntos, valeram ao FC Porto e V. Guimarães €30 milhões: €15 milhões para cada clube. Problema? O valor real das transferências foi de €0 entre as partes. Tal negócio teve, alegadamente, o único propósito de mascarar as contas do FC Porto e subir o seu ativo no exercício fiscal.
2. Romain Correia. Foi um dos jogadores mais caros da história do FC Porto e nem titular da equipa B é. Esta época, ao todo, jogou 291 minutos pelo Porto B. Os custos com este jogador ultrapassaram nomes como Corona, Lucho González, entre outros. Conjuntamente, estas aquisições tiveram o único propósito de inflacionar as receitas do clube em €15 milhões e os ativos em €33,4 milhões. A CMVM, ao ver a “trafulhice”, mandou o FC Porto corrigir o Relatório e Contas e ficou-se por aí. Imaginem se o FC Porto se chamasse Juventus e isto acontecesse em Itália. Felizmente para o clube azul e branco, quem tem amigos, tem tudo. E quem tem cu, tem medo.

3. Otávio. Através de Israel Oliveira, empresário do jogador, soube-se que que o FC Porto adulterou os termos do acordo e decidiu circundar as suas obrigações, não registando os termos do negócio no presente ano fiscal e faseando-o pela vida útil do contrato. Como o custo associado com o jogador foi repartido nas contas dos anos seguintes como uma amortização do seu ativo, este não influenciou os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização dos jogadores. Desta forma, o FC Porto facilitou as suas obrigações financeiras com as várias entidades envolvidas e ficou ainda com a hipótese de escapar aos encargos com a Segurança Social.
4. Marco Cruz e Rodrigo Fernandes. FC Porto e Sporting fizeram uma troca direta dos jogadores numa transação fixada em €11 milhões para cada lado. Tal como no acordo entre FC Porto e V. Guimarães, este negócio apenas serviu para subir os ativos dos clubes e consolidar as contas dos mesmos. Miguel Braga, diretor de comunicação do Sporting, teve ainda o desplante de vir dizer que «foi esta operação que permitiu ao Sporting não vender jogadores titulares como Palhinha, Matheus Nunes ou Pedro Gonçalves».

Tudo isto são factos que nos levam a concluir algumas questões:
Existindo nestes negócios uma similaridade clara com o escândalo que envolve a Juventus, porque é que o FC Porto goza de um estado de impunidade que lhes permite fazer tudo isto, passando pelos pingos da chuva?
Porque é que a Juventus é dada como um exemplo de justiça e o FC Porto é dado como um exemplo de como contornar as leis comuns a todos os cidadãos portugueses?
Do que estão à espera a Federação Portuguesa de Futebol, Autoridade Tributária, Polícia Judiciária e Ministério Público para desempenharem o seu papel e encostarem o FC Porto à parede?
Várias perguntas sem nenhuma resposta.
Ao Benfica tudo lhe é apontando, sendo espezinhado, difamado e acusado na praça pública sem sequer existirem fundamentos ou provas para essas acusações. Quando são pedidas as provas das acusações, os processos logo caem por terra ou ficam suspensos em menos de 24 horas, como recentemente aconteceu com o processo instaurado pelo CD da FPF que apenas serviu para difamar o clube e sujar, uma vez mais, o seu nome.
Ao FC Porto e Sporting tudo lhes é perdoado. Cashball? Exorbitância de funções dos então dirigentes. Transferências para contas bancárias dos árbitros? Exorbitância de funções. Tentativa de corromper jogadores de futebol e andebol? Exorbitância de funções. Alegados desvios de dinheiro? Exorbitância de funções. Malas e luvas envolvendo valores superiores a 40 milhões de euros? Exorbitância de funções. Negociatas com outros clubes para fugirem às obrigações financeiras e inflacionarem os ativos e passivos? Criatividade financeira.
O Benfica está verdadeiramente a mais nesta bandalheira em formato de país. Imaginem só que existisse um clube em Itália que tivesse acesso a 10 anos de correspondência do seu rival através do roubo qualificado e recurso a um hacker, e em vez de apresentar o conteúdo às autoridades e assumir o crime, andava a manipular, deturpar e partilhar mentiras em direto no canal do clube, disseminando-as por blogs e páginas oficiosas pela internet fora. Isto aconteceu. E aconteceu em Portugal.
Trata-se, em absoluto, do reflexo e impunidade que alguns clubes gozam neste país. Pobre justiça onde os acusados na praça pública são automaticamente culpados e os difamadores e mentirosos são vítimas."

VARICES VERDICES!!!

 


"Claríssimo. O Fábio Veríssimo, como se percebe pelo frame, está a dar a lei da vantagem. Se dá lei da vantagem é porque achou que era falta. Então, é um erro técnico com influência no resultado.
O Arouca vai-se atirar ao ar contra este escândalo. E com toda a razão. O que vale é que vem aí um Arouca-Benfica para suavizar a coisa.
É sempre o mesmo cheiro nauseabundo, não muda nada com esta tropa que manda no futebol português.
Depois temos 90% dos jogos com 2.000 pessoas nas bancadas. Ao nível do Luxemburgo."

VERDÍSSIMO MISERÁVEL NA OUTRORA TAÇA DA CARICA, DEPOIS TAÇA DA LIGA E AGORA TAÇA PAULINHOUM


 

E SE A JUVENTUS JOGASSE EM PORTUGAL?

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

FINAL DA PRIMEIRA VOLTA

 


"• Porto tem o mesmo número de expulsões de adversários que Sporting e Benfica juntos;
• Porto é o único clube sem penáltis contra;
• O FC Porto tem mais faltas cometidas do que o Sporting e o Benfica, mas menos menos cartões amarelos (32 vs 55 vs 35)"

ANDOR!!!

 


"Terminada a primeira volta do campeonato, é o momento de analisarmos alguns dados estatísticos:
• O FC Porto tem o mesmo número de expulsões de adversários que Sporting e Benfica juntos;
• O FC Porto é o único clube sem penáltis contra;
• O FC Porto tem mais faltas cometidas do que Sporting e Benfica (238 vs 226 vs 213), mas menos jogadores expulsos (1 por duplo amarelo) e menos cartões amarelos (32 vs 55 vs 35).
Também é importante destacar que nos últimos três jogos o FC Porto enfrentou sempre equipas desfalcadas por expulsões:
• Cádiz, do Famalicão;
• Anderson Oliveira, do Vitória de Guimarães;
• João Afonso e Edgar Costa (admoestado com o 5º cartão amarelo), do Marítimo, que na próxima jornada também ficarão de fora da receção aos azuis e brancos.
Sorte ou mera casualidade, os dados não mentem: o FC Porto está a ser transportado num andor."