sábado, 17 de abril de 2021

NÃO HÁ VACINA PARA A INCOMPETÊNCIA



 Com uma exibição qualitativamente inferior às patenteadas nas jornadas anteriores, o Benfica viu interrompida a boa sequência de resultados na Liga NOS, ao perder por 1-2 no Estádio da Luz perante o Gil Vicente no jogo da 27.ª ronda, na tarde/noite deste sábado.

Ao repetir o onze lançado uma semana antes no jogo que terminou em goleada no reduto do Paços de Ferreira, Jorge Jesus deu primazia ao sistema tático com três defesas (na zona central) na abordagem inicial ao embate com os gilistas.

Benfica-Gil Vicente
Porém, ao longo de toda a primeira parte a equipa benfiquista encontrou dificuldades para gerar espaços nas redondezas da grande área contrária e surpreender, desequilibrar nos últimos metros, de forma a poder visar a baliza guardada por Denis.
O nó foi ganhando volume. Como as águias não eram capazes de fazer uma circulação rápida que amarrotasse as forças e o plano do antagonista, o Gil Vicente teve oxigénio para saltar linhas de pressão, construir ataques e lançar contragolpes perigosos. Num deles, ao minuto 35, o visitante colocou-se em vantagem. O camisola 11 Leautey foi servido rapidamente na direita, correu com bola, derivou para dentro e chutou de pé esquerdo, rasteiro, batendo Helton Leite (0-1).

Benfica-Gil Vicente
Penalizado pelo golo gilista, o Benfica teve mais bola na contagem decrescente para tempo de intervalo, procurou aumentar a dinâmica ofensiva para perfurar as linhas compactas do adversário e produzir novidades, isto é, oportunidades para marcar. A verdade, todavia, é que não foi bem-sucedido nas intenções e no fim dos primeiros 45 minutos perdia por uma bola de diferença.
Com o objetivo de mudar o quadro, Jorge Jesus modificou o figurino encarnado no começo da segunda parte. Já com um cartão amarelo, Lucas Veríssimo saiu para a entrada do compatriota Everton, uma substituição que fez regressar o 4x4x2. Ao minuto 53, o Benfica conseguiu aproximar-se da baliza de Denis e rondar o golo: Diogo Gonçalves cruzou do lado direito e Seferovic, ao segundo remate na área num par de segundos, fez a bola passar rente ao poste direito.
Filme do jogo
Atrevido e engenhoso nos contra-ataques, o Gil Vicente dava que fazer e testava a atenção da linha defensiva benfiquista, mas nesta fase da partida as águias já eram capazes de se estender até aos últimos metros, pecando, contudo, na eficácia. Numa recarga por instinto, Seferovic, aos 61', por pouco não igualou o marcador. Muito meritória, no lance, foi a ação de Diogo Gonçalves sobre a direita, cruzando com força para uma intervenção incompleta do guarda-redes Denis.

Benfica-Gil Vicente
Sem delongas, Jorge Jesus trocou mais duas peças no xadrez encarnado: Taarabt e Waldschmidt foram rendidos por Pizzi e Darwin (61'). Os ataques do Benfica eram mais intensos e ameaçadores e o 1-1 podia ter sido o desfecho da jogada acelerada por Rafa na direita e concluída no coração da área por Seferovic ao minuto 70 (remate de pé esquerdo ao lado do alvo).
Os encarnados desaproveitavam o que criavam, mas os gilistas foram de um aproveitamento extremo. Lourency, aos 81', fugiu pela esquerda, entrou na área e disparou com força e por alto, junto ao poste mais próximo, assinando o 0-2.
Pedrinho e Cervi por Weigl e Grimaldo foram as últimas cartadas de Jorge Jesus (85'). Volvidos dois minutos, o Benfica reduziu (1-2): Pizzi lançou Rafa com um passe longo, o camisola 27 libertou-se na área e rematou para defesa incompleta de Denis, com o esférico a bater, depois, no corpo de Vítor Gonçalves e a tomar a direção das redes gilistas (87').
Ainda com tempo para, no mínimo, igualar o resultado, o Benfica manobrou na intermediária ofensiva, mas a melhor situação gerada foi já ao sexto minuto do tempo de compensação, com Otamendi a rematar com força perto da linha limite da área e a errar a baliza. O jogo terminava logo a seguir.
Otamendi: "Pensar nos próximos jogos e na conquista dos três pontos"
O resultado negativo do Benfica frente ao Gil Vicente foi analisado pelo internacional argentino.
O Benfica tentou de várias maneiras perfurar o sistema defensivo do Gil Vicente, em particular no segundo tempo do jogo, mas não levou a melhor na 27.ª jornada da Liga NOS. Remates bloqueados, bolas a passar muito perto dos postes e um resultado que não era o pretendido (1-2). Otamendi analisou o que correu mal e deixou uma garantia.
"A primeira parte foi um pouco incómoda e eles defenderam bem. Circulámos a bola, procurámos os espaços, mas não conseguimos entrar. Na segunda parte entrámos com outra mentalidade e colocámos outra velocidade no jogo. Não conseguimos finalizar, mas há que continuar a trabalhar", salientou o defesa-central.
Otamendi esteve muito perto de apontar o golo do empate já no período de compensação (90'+6'), num remate de primeira, após jogada de Darwin. O resultado não condiz com as pretensões do Benfica até ao final do Campeonato, mas a ambição de vencer, segundo o internacional argentino, está intacta.
"Temos mais desafios e a partir de amanhã [domingo] temos de começar já a pensar nos próximos jogos e na conquista dos três pontos. A derrota não vai ter nenhum impacto. A nossa mentalidade é, até ao final, somar a maior quantidade de pontos", finalizou.
Na próxima quinta-feira, dia 22 de abril, as águias deslocam-se ao terreno do Portimonense. O desafio da 28.ª jornada da Liga NOS terá início às 19h00.

Sem comentários:

Publicar um comentário