quinta-feira, 29 de março de 2018

TRÉS ACUSAÇÕES E UMA CONCLUSÃO


"Quando Bruno de Carvalho chama trolha a António Salvador, julgo que a sua ideia não é a de considerar o presidente do SC Braga alguém que tem o mérito de alisar as imperfeições dos outros. Porém, sem que muito provavelmente o presidente do Sporting disso, sequer, suspeite, trolha, ou seja, a mais vulgarmente conhecida como colher de pedreiro, é um símbolo maçónico respeitado, precisamente porque tapa irregularidades de um muro ou de uma parede, torna-se lisa, apaga-lhe as zonas rugosas, prepara-a para pintura que a torna mais bonita para o mundo.
Admito, também, que ao juntar, no que pensaria ser um impropério, o termo labrego, Bruno de Carvalho não terá pensado no substantivo que define um outro utensílio de grande utilidade e que, segundo o arcaico mas ainda válido dicionário da língua portuguesa da Porto Editora, significa um género de arado que abre bem os sulcos e limpa a terra das raízes.
Ambas as suposições de que pode estar ausente uma ideia de bondade, gentileza ou elogio por parte do leonino presidente, é a que advém do facto de ter somado, às anteriores, a acusação de aldrabão, que não dá lugar a dúvidas, porque escolher entre trapalhão, impostor, trapaceiro ou mentiroso venha o diabo e escolha.
Assim sendo, é certo que o que Bruno de Carvalho quis mesmo chamar a António Salvador, seu homólogo e seu colega, enquanto também presidente de um clube de futebol, foi o que de mais pejorativo esses termos encerram. O que deixa o autor das brutais referências em sério risco de se tornar um incivilizável, ou seja, «alguém que não é susceptível de civilização»."

Vítor Serpa, in A Bola

Sem comentários:

Publicar um comentário